A RHMED organiza e coordena o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) de maneira padronizada em todo o Brasil.

Algumas das soluções são:

RELATÓRIOS GERENCIAIS

São relatórios baseados na produtividade do período, sendo possível o acompanhamento do cliente. São disponibilizadas as seguintes informações:

  1. Número total de exames realizados.
  2. Convocação e cronograma de exames.
  3. Controle de realização dos exames por unidade/filial.
  4. Controle de vencimentos dos documentos (PPRA | PCMSO).

RELATÓRIOS TÉCNICOS

É a análise dos exames médicos ocupacionais realizados ao longo do ano. Sua finalidade é traçar o perfil de Saúde dos colaboradores. Seus resultados são importantes indicadores para Programas de Prevenção dentro da Companhia.

RELATÓRIO ANUAL

É a síntese de todos os exames ocupacionais realizados durante o ano.

GESTÃO MÉDICA OCUPACIONAL

Gerenciamento de ambulatórios e treinamento da equipe técnica.

GESTÃO DE EXAMES OCUPACIONAIS

É o gerenciamento e controle dos exames ocupacionais, com emissão de relatórios de acompanhamento que trazem todas as informações importantes para o conhecimento da saúde ocupacional da população da empresa, facilitando ao médico do trabalho desenvolver ações preventivas.

EXAMES MÉDICOS OCUPACIONAIS

Administração, organização e cumprimento dos exames médicos de saúde ocupacional (admissionais, demissionais, mudança de função, retorno ao trabalho e exames periódicos).

EXAMES LABORATORIAIS COMPLEMENTARES

É a realização de exames complementares definidos pelo PCMSO.  Utilizando sua estrutura, a RHMED – sob consulta – disponibiliza uma equipe multidisciplinar para realizar os exames laboratoriais, seguindo os padrões técnicos necessários.

Para melhor atender as empresas clientes, os exames podem ser realizados nos seguintes locais:

    • Nas dependências da empresa (in company)

PCA – PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

Consiste em um conjunto de medidas técnicas e administrativas capazes de diminuir, ao longo de seu desenvolvimento, as perdas auditivas decorrente da exposição a altos níveis de pressão sonora no trabalho.

Objetivos e benefícios da realização do PCA com a RHMED:

  • Atender a legislação trabalhista e previdenciária;
  • Respaldar a empresa nos aspectos legais e nos processos judiciais de reclamações trabalhistas;
  • Obter ou manter certificações relacionadas à saúde, segurança, qualidade e ao meio ambiente;
  • Adequar os gastos da empresa com adicionais de insalubridade e aposentadoria especial;
  • Estabelecer medidas preventivas, eficazes para diagnóstico precoce e estabilização dos casos de perdas auditivas ocupacionais;
  • Melhorar a qualidade de vida dos colaboradores conservando a audição;
  • Identificar colaboradores com problemas de ouvido e audição não relacionados ao trabalho, encaminhando-os para adequado diagnóstico, tratamento e documentação do caso.

PPR – PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

De acordo com a Instrução Normativa nº 1 de 11 de abril de 1994 e o Programa de Proteção Respiratória – FUNDACENTRO, cabe a realização de PPR como programa de prevenção diante de atividades laborais com presença de aerodispersoides.

O Programa de Proteção Respiratória – PPR consiste na elaboração das diretrizes para o trabalho frente à presença de particulados. Caberá o reconhecimento, quantificação dos agentes, definição de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) indicados para o trabalho seguro e recomendações de práticas aceitáveis para o uso de respiradores, fornecendo informações e orientações sobre o modo apropriado para a seleção, utilização e conservação dos EPIs.

De acordo com as exigências do PPR, a utilização dos equipamentos de proteção respiratória é adequada para garantir um completo resguardo do colaborador contra os riscos existentes nos ambientes de trabalho. Além disso, são realizados treinamentos para garantir o uso correto desses aparatos por parte da equipe.

OBJETIVO

O objetivo das diretrizes do PPR é a proteção respiratória do colaborador contra a inalação de contaminantes no ar e a possível deficiência de oxigênio na atmosfera do ambiente de trabalho.

ANÁLISE ERGONÔMICA

A análise ergonômica dos postos de trabalho existentes na empresa é realizada através da vistoria técnica de profissional habilitado e tem como finalidade formar parâmetros para adaptação das condições de trabalho dos colaboradores às suas características psicofisiológicas, oferecendo o máximo de conforto, segurança e eficiência de desempenho. A realização é feita a cada alteração de mobiliário ou alteração no ambiente de trabalho.

Nossa equipe de profissionais desenvolve ações que levam em consideração aspectos antropométricos, biomecânicos e psicofisiológicos, equipamentos, mobiliário, ambiente, comunicações existentes entre os elementos de um sistema, a transmissão dessas informações, o processamento, a tomada de decisões, organização do trabalho e suas condições, incluindo aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais.

Para avaliar a adaptação dessas condições às características psicofisiológicas dos colaboradores, a empresa deve realizar a Análise Ergonômica do Trabalho (AET), abordando as regras estabelecidas na Norma Regulamentadora (NR-17 da Portaria nº 3751 de 23 de novembro de 1990 do Ministério do Trabalho).

A ergonomia é parte integrante das normas regulamentadoras e deve estar articulada com as demais normas de Segurança e Medicina do Trabalho, em particular com o Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional – PCMSO – e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA.

OBJETIVOS

Analisar os ambientes de trabalho, processos e equipamentos que fazem parte das atividades laborais dos colaboradores, identificando a necessidade de adequação ergonômica para a elaboração de um parecer ergonômico, com as recomendações de melhorias.

Com a análise ergonômica é possível:

  1. Avaliar o mobiliário dos postos de trabalho administrativos, considerando as exigências biomecânicas das tarefas desenvolvidas pelos profissionais;
  2. Diagnosticar as condições do meio ambiente e de organização do trabalho, a fim de apresentar um parecer detalhado quanto às eventuais necessidades de melhoria e possíveis adequações.

Os resultados permitem que a empresa se programe e priorize seus investimentos para diminuir e extinguir as ocorrências causadoras de dor, desconforto, dificuldades e fadiga excessiva no trabalho. O documento será regido pela metodologia técnico-científica preconizada pela portaria 33/11/98 do Ministério do Trabalho.