Posts

Prevenção ao suicídio: por que somos todos responsáveis?

O tempo que você vai levar para ler as linhas iniciais deste texto será o suficiente para que ocorra um suicídio no país. Não, não é exagero. Os dados foram divulgados no ano passado pelo Ministério da Saúde e dão conta que, a cada 46 segundos, algum brasileiro se mata. As motivações são diversas. Mas grande parcela dos episódios gira em torno da depressão, que já acomete 12 milhões de indivíduos, quase 6% da população. A maior parte dos casos ocorre entre jovens de até 29 anos, sendo que mulheres são as que mais atentam contra a própria vida.

O assunto é pesado e complexo, mas vivemos tempos em que não há mais espaço para tabus. Quaisquer temática e informação relevantes passaram a ser discutidas e compartilhadas também nas empresas. Principalmente quando é o bem-estar do trabalhador que está em risco. É um trabalho importante, que, mesmo não tendo origem na rotina laboral, as empresas têm capacidade para desenvolver muito bem.

Desde 2015. O mês de prevenção ao suicídio, conhecido como Setembro Amarelo. Tem dado sua colaboração para disseminar esclarecimentos e detectar formas de enfrentar o problema nas organizações e na sociedade em geral. Também em dia 10/09, é lembrado o Dia Internacional da Prevenção ao Suicídio. O que comprova a relevância da questão na atualidade.

Por onde começar o debate?

Conflitos emocionais, crises familiares, perfil psicológico, insegurança nas ruas… A vida apresenta um caudaloso manancial de razões para afetar um indivíduo. Nesse contexto, a conduta das organizações pode fazer a diferença e cumprir um grande papel. Afinal, fazer com que o espaço corporativo se torne um aliado eficaz no combate ao problema traz vantagens para todo conjunto da sociedade.

As ações internas nas corporações são importantes, já que o trabalhador passa boa parte do tempo nelas. As empresas podem promover palestras ou encontros. Sempre com apoio de psicólogos, psiquiatras e membros de associações de apoio como o Centro de Valorização da Vida (CVV), para discutir o tema. Cientes dos principais sinais, os funcionários podem ficar atentos ao seu próprio comportamento e ao de seus companheiros de trabalho.

Tenha em mente que é possível que um único diálogo faça toda a diferença.

A organização pode direcionar aqueles colaboradores que estejam dando sinais de desequilíbrio emocional para avaliação. Se todos ficarem alertas ao comportamento do colega de trabalho. Há potencial para formar uma corrente solidária e atenta. Capaz de perceber e dar uma resposta positiva aos primeiros sinais de que há algo errado.

Divulgar internamente contatos de grupos voluntários, como o CVV (188), é recomendável. Assim como a distribuição de impressos ou a veiculação de conteúdo relacionado ao assunto em outros canais, sejam digitais ou físicos.

RHMED|RHVIDA valoriza práticas empáticas e solidárias

O Ministério da Saúde orienta que cada caso seja analisado de forma isolada e por quem entende profundamente o assunto. Por isso, uma das principais campanhas do Setembro Amarelo é mostrar como, por meio do diálogo e atenção. As pessoas podem se prevenir do suicídio e buscar ajuda de profissionais capacitados.

Falar sobre o assunto ainda é a melhor maneira de educar as suas equipes. A abordagem nunca deve girar em torno de fraqueza ou fracasso. Além disso, estão entre os fatores de risco aspectos emocionais e psicológicos, como isolamento social, inadequação e perdas de pessoas queridas. O medo do julgamento público e a falta de empatia devem ser combatidos, pois retardam o diagnóstico precoce e o combate à prática do suicídio.

Ao perceber que está amparado e valorizado na empresa, o colaborador se torna confiante para buscar orientação e ajuda no RH ou no departamento médico. Incentivar a convivência internamente estreita os relacionamentos sociais e gera uma atmosfera de companheirismo e solidariedade na organização.

O que observar e como ajudar?

– Os suicídios, quase sempre, são premeditados. Portanto, quanto mais cedo as intenções forem percebidas, mais chances haverá de evitar que ele aconteça.

– Os indivíduos que tencionam se matar, comumente, têm alterações de humor e comportamento. Ficam irritadas com facilidade, tristes, pessimistas e reclamam de tudo. Costumam se isolar e se sentem preteridas, hostilizadas ou injustiçadas por todos.

– É condenável desdenhar de alguém que expresse verbalmente o desejo de se matar. Julgamentos como “chantagem emocional”, “blefe” e “vontade de chamar a atenção” não colaboram em nada e ainda podem precipitar os acontecimentos. O ideal é ouvir atentamente e dizer somente coisas positivas.

– Perguntar sobre a intenção de suicídio não aumenta o desejo de cometê-lo.

– Pessoas com doenças psicossomáticas frequentes ou com alterações no apetite e no sono também merecem atenção.

– Aumento no consumo de álcool e/ou outras drogas pode ser um indício, assim como o consumo desregrado de medicamentos para dormir ou antidepressivos.

– Falta de atenção com a própria segurança no ambiente de trabalho, negligenciando equipamentos ou mesmo buscando práticas perigosas.

– Frases como “não faço falta para ninguém”, “melhor seria acabar com tudo logo”, “nada faz sentido”, “minha vida não tem jeito”, “sou um peso morto” e coisas assim são sinais de que algo está errado com o colaborador.

– Faltas frequentes sem justificativa ou comportamento sempre na defensiva também devem ser observados com cuidado.

 

Ergonomia é aliada das empresas no ambiente de trabalho

Bem-estar não é um conceito subjetivo. Para tornar o ambiente de trabalho confortável e seguro são necessárias medidas preventivas e adequações periódicas por parte das empresas. E também engajamento do conjunto de colaboradores. Atividades realizadas em posição indevida, mobiliário mal conservado ou impróprio, uso incorreto de equipamentos, iluminação deficiente, jornadas longas e sem pausas, tensão permanente e movimentos repetitivos. São gatilhos frequentes para uma série de males físicos. Causando vulnerabilidade nas equipes e alto índice de absenteísmo por lesões e dores.

No Brasil, a matéria é regulamentada pelo Ministério do Trabalho e Emprego por meio da NR-17, conhecida também como Norma da Ergonomia. Com cumprimento obrigatório. A NR-17 estipula parâmetros para a boa condição de trabalho. Com adaptação às características físicas e psicológicas dos empregados e oferecendo segurança durante o expediente.

A ergonomia é uma aliada no ambiente de trabalho. Pois sedimenta a segurança dos colaboradores e, consequentemente, do conjunto da empresa.

Em linhas bem gerais, os principais parâmetros a serem observados são: levantamento e transporte de descarga; mobiliário; organização; ruídos; equipamentos; temperatura; umidade; condições ambientais e organização. Questões ligadas a tempo, ritmo e aspectos operacionais também devem ser levados em conta. Em cada atividade, a organização precisa focar nas especificidades e criar um planejamento capaz de abarcar todos os departamentos da empresa.

RHMED|RHVIDA ajuda em planejamento e aplicação de medidas de ergonometria

Analisar os ambientes de trabalho. Processos e equipamentos que fazem parte das atividades laborais dos colaboradores é o primeiro passo para identificar a necessidade de adequação ergonômica. Produz-se um relatório técnico e, a partir das conclusões, são feitas observações e recomendações de melhorias no ambiente de trabalho.

Os resultados permitem que a empresa se programe e priorize seus investimentos para diminuir e extinguir as ocorrências causadoras de mal-estar. A RHMED|RHVIDA trabalha na orientação das empresas para que realizem agendamento de vistorias técnicas. Promovam adaptações necessárias e campanhas de esclarecimento para conseguir maior adesão dos colaboradores à vigilância e cumprimento das normas.

A análise ergonômica dos postos de trabalho é feita em vistoria técnica. E tem como finalidade formar parâmetros para adaptação das condições de trabalho dos colaboradores às suas características psicofisiológicas. Oferecendo o máximo de conforto, eficiência e segurança do trabalho. A vistoria é feita a cada alteração no ambiente de trabalho.

Para avaliar a adaptação das condições do meio às características psicofisiológicas dos colaboradores, a empresa deve realizar a Análise Ergonômica do Trabalho (AET), abordando as regras estabelecidas na NR-17.

De que forma prevenir os riscos ergonômicos?

É importante engajar os funcionários no processo. São eles as melhores fontes para indicar, diagnosticar e prevenir problemas. Também, ao se sentirem seguros e valorizados, terão sua autoestima elevada e reforçarão seu compromisso com a própria segurança e com a do restante da equipe.

Entre os problemas ocupacionais mais comuns estão as lesões por esforço repetitivo (LERs), que configuram a segunda maior causa de afastamento do trabalho no Brasil, com incidência majoritária justamente entre os profissionais na faixa etária de maior produtividade, de 30 a 40 anos de idade. Esforço físico pesado e posturas incorretas provocam fadiga, asma, dores musculares e fraqueza, além de contribuírem para o agravamento de doenças crônicas, como hipertensão arterial e problemas de coluna, entre outros.

De um modo geral, a ergonomia pode ser aplicada com exercícios laborais, intervalos regulares e rotatividade de tarefas, entre outras precauções. São reforços importantes no dia a dia, mas não chegam a eliminar totalmente riscos e problemas recorrentes. O ideal é que tais medidas, venham acompanhadas de abordagem mais efetiva, com completa adaptação do ambiente de trabalho às funções desempenhadas e à carga horária do trabalhador.

Brasileiros têm mais motivos para comemorar o Dia Nacional de Combate ao Fumo

Às vésperas do Dia Nacional de Combate ao Fumo celebrado na próxima quinta-feira (29/08). O país respira um ar mais puro. Dados do Ministério da Saúde indicam que a frequência do consumo de tabaco entre os fumantes nas capitais teve queda de quase 40% no período de 2006 a 2018. No mesmo período, a prevalência de fumantes caiu de 15,7% a 9,3%.

E as boas notícias não param por aí. Uma pesquisa realizada pela RHMED| RHVIDA mostrou que jovens que chegam ao mercado de trabalho também estão fumando cada vez menos. A empresa, que é líder no Brasil em inteligência em saúde e segurança do trabalho. Analisou dados de 92 mil exames ocupacionais de todo o país entre janeiro de 2016 e junho de 2018.

Segundo o levantamento, também são os mais jovens que estão abandonando o hábito de fumar. Entre a população trabalhadora acima de 25 anos há proporcionalmente 2,4 vezes mais fumantes do que na de 18 a 24 anos. A idade média do grupo de fumantes tem quatro anos a mais do que o grupo de não fumantes.

Cigarro ainda ameaça a saúde

Apesar dos avanços, o cigarro ainda é uma ameaça à saúde. Os prejuízos são numerosos e, por vezes, irreversíveis: perda de sensibilidade, insuficiência respiratória, infarto e diversos tipos de câncer.  Na pesquisa da RHMED|RHVIDA, foi registrada piora na condição respiratória, na pressão arterial e nos índices de glicemia. A hipertensão esteve 30% mais presente na população fumante, assim como a glicemia (63%),  e os problemas respiratórios (25%).

Ao analisar a pesquisa, Dr. Geraldo Bachega, nosso diretor-médico, percebeu uma relação direta entre o fumo e a falta de sono e o estresse. Ele observou na pesquisa RHMED|RHVIDA que o número de fumantes que se declararam estressados foi 85% maior do que entre os não fumantes. Fumantes também reportaram 127% mais problemas de insônia.

RHMED|RHVIDA aconselha campanhas antitabagismo e incentivo a atividades físicas

Desde que a Lei Antifumo foi implementada no Brasil, em 2011, a proibição em ambientes fechados refletiu positivamente nos hábitos dos colaboradores. Além das campanhas de conscientização quanto aos malefícios do cigarro e do fim dos fumódromos, é saudável que as empresas incentivem atividades físicas junto às equipes.

O vício do cigarro é uma doença e também exige trabalho de prevenção e tratamento nos que buscam se curar. Quanto mais hábitos saudáveis forem incorporados à rotina dos funcionários, mais dispostos, resistentes, concentrados e produtivos se tornarão. Quanto mais a organizar investir nessa abordagem, mais resultados efetivos colherá.

Não fumantes apresentam menos problemas de saúde, faltando menos trabalho. As pausas para fumar, além de prejudicais à saúde, podem comprometer até 20% do tempo da jornada de trabalho.

Busca pelo bem-estar no trabalho

Evitar acidentes é desafio para sustentabilidade do negócio

Diz a sabedoria popular que é sempre melhor prevenir do que remediar. Sem dúvida, antecipar-se aos acontecimentos negativos é a forma mais eficaz de evitá-los e uma grande prova de bom senso. A redução de sinistralidades está diretamente ligada ao investimento em prevenção de acidentes, segurança e saúde da organização. Apesar da unanimidade em torno do tema. Nem todas as corporações são capazes de transformar teoria em prática, tornando o ambiente de trabalho um lugar seguro e benéfico para todos.

Dados mais recentes da Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelam que em todo o mundo, a letalidade anual de acidentes de trabalho é de 2,3 milhões de pessoas. Das quais mais de 2,02 milhões causados diretamente pelas atividades desenvolvidas sem proteção adequada ou de forma indevida. Além de doenças relacionadas às funções dos trabalhadores. As estatísticas globais dão conta de que, a cada cinco minutos, 20 trabalhadores morrem exercendo suas atividades. E o número de feridos chega a alarmantes 300 milhões todos os anos.

O Brasil ocupa hoje o quarto lugar mundial no ranking de acidentes e doenças do trabalho. Segundo dados da OIT, 1,3 milhão de casos com brasileiros têm como principais causas o descumprimento de normas básicas de proteção aos trabalhadores e más condições nos ambientes e processos de trabalho. O país fica atrás apenas de China (14.924), Estados Unidos (5.764) e Rússia (3.090) em número de mortes anuais: por aqui, a média é de 2.503 óbitos.

Segurança Exige Transparência

“É preciso tratar o tema segurança de maneira estratégica e promover um aumento no nível de consciência de todos quanto à importância de colocar a vida das pessoas sempre em primeiro lugar. Prevenir acidentes é fazer com que nada de ruim atinja quem quer que seja por nossa causa. Empresas que não investem com seriedade nisso podem pagar um altíssimo preço, humano e financeiro. Por isso, não contar com o acaso é, sim, uma medida concreta de segurança”, ressalta Antonio Martin, CEO da RHMED|RHVIDA, empresa que atua nos ramos de inteligência em saúde e em segurança do trabalho.

Martin acrescenta que não há atalhos ou improvisos para as empresas que querem alcançar bons resultados nessa área. “Segurança exige transparência, coragem, disciplina, seriedade e empenho. E isso envolve desde os executivos de alto escalão e o conselho de administração até clientes, investidores e fornecedores. Enfim, todos os stakeholders de uma empresa”.

Credibilidade, confiança e responsabilidade social

Financeiramente. A estimativa é de que os acidentes de trabalho correspondam a 4% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial em termos de dias perdidos. Gastos com saúde, pensões, reabilitação e reintegração. Especialistas no assunto em todo o mundo ressaltam que os cálculos sobre mortos e feridos não chegam perto de representar fielmente a magnitude do problema. Nem o impacto real na vida das famílias dos trabalhadores e nas economias dos países. Profissionais da área de SST (Saúde e Segurança do Trabalho) mundo afora acreditam que obter dados confiáveis facilita a determinação de prioridades e serve de base para calcular o progresso no setor.

E a redução do número de acidentes de trabalho está estritamente ligada a políticas de prevenção. Abrangendo, também as condições de trabalho além do ambiente corporativo. “Assim como não podemos descuidar do que acontece intramuros na empresa. Não devemos negligenciar a segurança dos que nos cercam no bairro, na cidade e na sociedade. Sobreviver no mercado é aprender a construir ambientes livres de acidentes, saudáveis e produtivos interna e externamente; é gerar credibilidade nas intenções e ações. Credibilidade e confiança são construídas com base na responsabilidade social”, avalia o CEO.

A Importância da Prevenção

A segurança ocupacional tem entre suas preocupações não só implantar medidas efetivas que evitem acidentes. Mas também práticas e precauções capazes de prevenir doenças ligadas à rotina laboral. A visão predominante nos dias de hoje nas principais organizações é que uma empresa só é saudável se seus colaboradores também o forem. Para isso, é preciso não fugir às responsabilidades. Não faltam exemplos para comprovar a importância da prevenção de acidentes e evidenciar o prejuízo que postergar decisões representa para um grupo empresarial, independentemente de tamanho, atividade, histórico ou posição na bolsa. “Fechar os olhos para o investimento em saúde e segurança de colaboradores e do negócio já desestruturou corporações poderosas, que poderiam, por meio de medidas preventivas, ter escrito outra história para si e para os outros. Cabe a cada empresa decidir que tipo de história quer protagonizar”, finaliza Martin.

Benefícios da Amamentação

Para chamar a atenção sobre a importância e os benefícios da amamentação para o bem-estar do bebê e da mãe. O Agosto Dourado, instituído recentemente pelo Congresso Nacional Brasileiro, amplia e reforça a ideia da Semana Mundial do Aleitamento Materno, criada há mais de duas décadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).  Promovida em 170 países. A iniciativa vai de encontro a uma das principais preocupações e necessidades das mulheres no retorno ao mercado depois do período de licença-maternidade.

A questão prioritária para as colaboradoras é: como voltar ao trabalho sem prejudicar a rotina de aleitamento?

Com medidas simples, as empresas podem apoiar as funcionárias no processo. Nesse período tão delicado e especial para a mulher, a transmissão de informações relevantes e seguras faz muita diferença. É importante que as trabalhadoras se sintam cuidadas, suportadas em seu ambiente de trabalho. E que saibam como cuidar bem de si próprias e dos seus filhos.

Deixá-las fazer pausas durante o horário de trabalho para se hidratarem regularmente. Recomendar hábitos alimentares saudáveis são detalhes que ajudam bastante. Assim como criar cartilhas ou oferecer palestras sobre o tema. Reforçando sempre a necessidade de medidas de higiene, cuidados com a saúde e imunização contra doenças permitidas durante o período de amamentação. Em comum acordo, sempre que imprescindível, flexibilizar horários e rotinas de trabalho.

Mesmo não havendo obrigatoriedade legal para a instalação de salas para coleta e armazenamento de leite materno. Algumas empresas contam com infraestrutura completa com privacidade, ambiente confortável, lavabo e refrigeradores. Providências que melhoram, em muito, o clima e a dinâmica em uma corporação.

 

Amamentação traz benefícios também à empresa

Os benefícios do leite materno para o bebê são incontestáveis. O aleitamento protege contra doenças crônicas e previne infecções, alergias, cânceres infantis e, no caso das mães, também os de mama. Além do alto valor nutritivo para manter a saúde do bebê, há a satisfação e o bem-estar da mãe. A OMS recomenda que nos primeiros seis meses o único alimento do bebê seja o leite materno.

Prevenindo doenças, a amamentação colabora também para que a funcionária se ausente menos do ambiente do trabalho. Portanto assim, exerça suas funções com maior concentração e tranquilidade.

 

RHMED|RHVIDA lança programa de apoio aos ODS da ONU

Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar a todos, em todas as idades. Sonho comum a todas as nações, essa é uma das metas transformadoras previstas pela ONU para tornar o mundo mais sustentável até 2030.

Envolvida na causa, a RHMED|RHVIDA lança um programa de apoio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS), fazendo o que sabe de melhor: ajudar as empresas a cuidar da saúde de seus colaboradores e, neste caso específico, de suas colaboradoras.

O projeto, que teve início durante a Semana Mundial de Amamentação, promoverá ações com foco prioritário na prevenção e no combate ao diabetes gestacional, doença que afeta a saúde de mães e bebês em todo o mundo.  A doença consiste no aumento dos níveis de glicose no sangue durante a gravidez, devido ao esforço do pâncreas materno na produção da insulina, acarretando complicações à saúde da mulher e do bebê. Entre as consequências mais frequentes estão hipertensão e prejuízos ao funcionamento dos rins.

 

 

Sarampo é assunto sério

A vacinação contra o sarampo deve ser encarada como responsabilidade social. Quem se imuniza está protegendo não só a si mesmo como a seus familiares e ao conjunto da sociedade. Cientes da importância de promover a saúde individual e coletiva. As empresas têm exercido papel estratégico na disseminação de informações relevantes a seus colaboradores e em campanhas internas de prevenção.

A rapidez com que aumenta o número de casos de sarampo no Brasil chama a atenção. Dados do Ministério da Saúde dão conta de que, somente entre os dias 5 de maio e 3 de agosto deste ano, foram confirmados 907 casos. A maior parte em São Paulo. Mas, também com registros em outros estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

É oportuno destacar que, desde 2016, autoridades consideravam a doença erradicada do território nacional. E, na opinião de especialistas, o fator determinante para o seu ressurgimento reside, justamente, na queda nos índices de imunização. O vírus do sarampo já circula novamente no Brasil desde 2018, quando foram registrados 10.326 casos. Em algumas partes do planeta, o sarampo ainda é uma das maiores causas de mortalidade entre crianças menores de 5 anos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença é a responsável por 100 mil óbitos a cada ano em todo o mundo.

RHMED|RHVIDA: Mobilização dos colaboradores é essencial

A RHMED|RHVIDA orienta as empresas a incentivar que seus funcionários mantenham em dia a sua carteira de vacinação. E claro, a de seus familiares. É sabido que a maior parte das doenças infecciosas é transmitida pelo contato com objetos ou mesmo pelo ar – espirros, tosse ou fala. Assim, em ambientes corporativos, fechados e com muita gente, se um indivíduo é infectado, pode contaminar rapidamente a outros que também não foram imunizados. Segundo o Ministério da Saúde, uma pessoa doente pode espalhar o vírus para, pelo menos, dez outras.

Procuramos aconselhar a nossos clientes que adotem campanhas internas de conscientização de colaboradores quanto ao valor da vacinação para o bem-estar da sociedade. Medidas simples, como avisos internos, palestras, circulação de informações sobre a doença e as formas de preveni-la, têm sempre resultados efetivos. Com a abordagem correta, é possível também engajar os colaboradores e fazer com que transmitam as recomendações a outras pessoas, dentro e mesmo fora do ambiente laboral.

Trabalhadores que adoecem e/ou que têm familiares contaminados são obrigados a se ausentar de suas funções e sobrecarregam os outros funcionários. Sem contar o clima de apreensão e insegurança entre as equipes, fator sabidamente prejudicial à produtividade. Além de informação, as organizações podem colaborar levando a vacinação às próprias empresas ou, se necessário, flexibilizando horários para que seus funcionários consigam se imunizar em unidades de saúde. São medidas simples que, pode acreditar, valem a pena e beneficiam a todos.

Saiba mais sobre o sarampo

Causado por vírus, o sarampo é altamente contagioso e pode até matar. É transmitido da mesma forma que a gripe, de pessoa a pessoa, independentemente da idade, por meio de contato direto ou pelo ar (partículas suspensas de saliva).

Em média, os sintomas do sarampo surgem depois de 10 a 14 dias da exposição ao vírus. Os mais comuns são tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas.

COMO AGIR EM CASO DE SUSPEITA?

O paciente deve se dirigir prontamente a um serviço de saúde. Confirmado o diagnóstico, a unidade fará notificação à vigilância epidemiológica para que essa providencie a vacinação das pessoas com que ele teve contato.

DIAGNÓSTICO – A confirmação do diagnóstico é feita por sorologia (exame de sangue).

TRATAMENTO – Não há tratamento específico para a doença, apenas para os seus sintomas. Por isso, é tão importante investir na prevenção. O paciente infectado, depois de passar por avaliação médica, deve ficar isolado, em repouso, se alimentar e hidratar corretamente.

ONDE SE VACINAR? – Gratuitamente, em postos de saúde.

QUEM DEVE TOMAR A VACINA (Fonte: Ministério da Saúde):

  • Pessoas de 1 a 29 anos de idade (duas doses).
  • Adultos entre 30 e 49 anos de idade, ainda não imunizados, deve receber, pelo menos, uma dose da tríplice viral (SCR), que também protege contra caxumba e rubéola.
  • No caso de São Paulo, há recomendações específicas. Confira aqui.

META NACIONAL – O país espera atingir o índice de 95% de imunização.

CONTRAINDICAÇÕES: – Pessoas que estão com imunossupressão, por quaisquer razões, não devem se vacinar.

Nesses casos, recomenda-se consultar um médico para receber orientações individualizadas.
Gestantes e bebês com menos de 6 meses não podem tomar a vacina.

Mulheres que tomaram a vacina devem esperar pelo menos um mês antes de tentar
engravidar.

REAÇÕES À VACINA – Ela pode causar febre e dor e inchaço no local da aplicação.

Leia mais sobre imunização aqui.

GPTW – Estamos Cuidando das Pessoas?

Nossa atual situação

Olhando lá atrás na história, dá para dizer que houve um considerável avanço na regulamentação relativa à segurança de trabalho. No entanto, ainda são muitos os desafios a serem vencidos em todo país. O Brasil segue na quarta posição no ranking mundial de acidentes,  como apontam dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e, neste Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, vale fazer uma reflexão: estamos cuidando das pessoas ao nosso redor?

Qual é o primeiro passo?

O passo inicial para mudar essa realidade é entender que, antes de tudo, é preciso garantir um ambiente seguro e saudável para que as pessoas possam trabalhar, se desenvolver e alcançar a realização profissional. Para além das normas obrigatórias de segurança e saúde previstas pela legislação, um número cada vez maior de gestores se conscientiza dessa necessidade e de que é preciso falar constantemente sobre segurança. Mais líderes, hoje, sabem que investir em prevenção de acidentes e de doenças ocupacionais fortalece a corporação. Além de gerar confiança e solidariedade, aumenta a autoestima dos funcionários, reduz os índices de absenteísmo e os gastos com indenizações. Isso, por consequência, aumentaria a produtividade e o grau de satisfação interna. Saber, infelizmente, não significa colocar em prática.

O que diferencia um negócio bem-sucedido é o ato de construir ambientes de trabalho suportados pela segurança e felicidade de seus colaboradores. Quem protege suas equipes consolida uma estrutura saudável e relações igualmente benéficas com a sociedade. De forma oposta, nada é mais prejudicial à imagem e à saúde de uma organização do que episódios trágicos envolvendo os trabalhadores e/ou a comunidade. Não importa o setor da economia ou o porte da empresa: nada justifica pôr em risco a integridade física de uma ou mais pessoas.

Como mudar essa situação?

Outro passo fundamental para criar ambientes seguros é difundir o conhecimento. A RHMED|RHVIDA, líder do setor de medicina ocupacional e segurança do trabalho no Brasil, promove debates e difunde conteúdos com a missão de conscientizar CNPJs e indivíduos sobre o tema. Empoderar por meio da informação e fazer com que esta circule é fundamental! Da mesma forma, é de extrema importância escutar os colaboradores da sua organização. Afinal, o correto diagnóstico de pontos vulneráveis depende da participação ativa de todos os colaboradores.

Cada um deve se sentir responsável pela sua segurança e, também, pela dos demais. Não porque é uma norma, mas sim por ser o melhor para todos. É preciso engajamento, uma vez que segurança no trabalho também depende do fator humano. Por isso, é importante reforçar: você está cuidando dos seus colaboradores?

 

FONTE: Great Place to Work

O Planalto anunciou a atualização das NRs

Você já está por dentro das mudanças nas NRs?

No dia 30 de julho, o Planalto anunciou a atualização das Normas Regulamentadoras (NRs) de Segurança e Saúde no Trabalho, por meio da Portaria nº 915, publicada no Diário Oficial da União. Um dos assuntos mais abordados pelos gestores, a legislação trabalhista brasileira tem passado por uma série de alterações nos últimos tempos.

Segundo o Governo Federal, as medidas pretendem tornar as regras mais objetivas e operacionais. A modificação das NRs envolve a revisão das 37 normas, que abarcam 6.800 regras. A previsão para a finalização dos trabalhos será no final deste ano. As NRs precisam, obrigatoriamente, ser seguidas por empresas que tenham colaboradores em regime de CLT. Sem necessidade de aval do Congresso Nacional, as normas alteradas entram em vigor 45 dias depois da data do anúncio.

Processo de mudanças será em etapas

O processo de mudança ocorreu depois de uma série de debates comandados pela Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP), presidida pelo Ministério da Economia. Desde fevereiro, foram realizados encontros para decidir a melhor forma de executar as alterações. E para iniciar esse processo de revisão, o governo firmou um acordo de Cooperação Técnica para desenvolver a estratégia nacional de redução de acidentes com Firjan, Fiesp e Fiesc.

Foi anunciada também ainda para este ano a consolidação de 160 decretos. Ainda serão revisadas portarias e instruções normativas. As mudanças deverão concentrar as regras no menor subconjunto possível. Um primeiro grupo de decretos abrange 19 textos que regulam direitos trabalhistas dispostos em leis esparsas tais como: direito à gratificação natalina, vale-transporte e autorização para desconto em folha de pagamento, entre outros.

RHMED|RHVIDA instrui empresas sobre novas regras

A RHMED|RHVIDA reúne amplo espectro de serviços para gestão e cumprimento de requisitos legais em Segurança e Saúde Trabalho. Com uma equipe multidisciplinar de engenheiros de segurança técnicos e profissionais de saúde ocupacional, auxiliamos os clientes a preparar, implantar e gerenciar programas voltados ao bem-estar e à qualidade de vida para os colaboradores.

Ajudamos as empresas a se inteirarem totalmente sobre os processos e a se adaptarem às novas normas. O principal desafio será transmitir e adequar cada empresa às novas regras sem qualquer prejuízo para a segurança e a saúde dos funcionários no ambiente de trabalho e assegurando também que a organização faça a transição de maneira adequada e racional.

Porém, se ainda tem dúvidas, vamos explicar aqui, resumidamente, o teor de cada mudança.

Então, o que o Planalto mudou até agora nas NRs?

NR 01: Traz regras relacionadas à capacitação e treinamento profissional. Prevê tratamento diferenciado ao Microempreendedor Individual (MEI), à Microempresa (ME) e à Empresa de Pequeno Porte (EPP). Com a mudança, o Governo estima atingir 70% dessas corporações. Pelas novas regras, poderá haver o aproveitamento total ou parcial de treinamentos, quando o trabalhador, dentro de um período de dois anos, muda de emprego dentro da mesma atividade.

NR 02: Extinta, tinha redação de 1983, ainda da antiga Secretaria de Segurança e Medicina do Trabalho. Foi considerada pela comissão obsoleta e onerosa às empresas.

NR 12: Criada na década de 70, a norma cuida da segurança do trabalho em máquinas e equipamentos. Para a comissão, o texto de 2010 não estava mais alinhado aos padrões internacionais de proteção de máquinas. Foram incorporadas à norma itens que ampliam a segurança jurídica. Houveram mudanças no campo da robótica e de novas tecnologias da Indústria 4.0

A adoção de hábitos saudáveis pode começar no ambiente de trabalho

O incentivo à hábitos saudáveis como uma boa alimentação, faz toda a diferença no bom funcionamento de qualquer organização, independentemente do setor de atividade.

Assegurar o bem-estar dos colaboradores em uma empresa não depende apenas do cumprimento das obrigações legais relacionadas à saúde ocupacional, à segurança na infraestrutura ou às condições do trabalho. Uma dieta diária equilibrada e variada é capaz de mudar a rotina dos funcionários, refletindo de forma positiva no humor, na disposição, no desempenho das tarefas e, por consequência, na produtividade da empresa.

Qual é o primeiro passo?

A conscientização é o primeiro passo para promover hábitos saudáveis nas equipes. Para isso, é recomendável criar planos de incentivo à boa alimentação. A comunicação interna, quase sempre, funciona muito bem: e-mails, folhetos, newsletter, cartazes, campanhas, palestras… Enfim, todos os recursos que estiverem à disposição e que permitam a todos o acesso à informação útil e confiável.

Atuar em parceria com profissionais de saúde auxilia enormemente na tarefa de mudar hábitos alimentares nas equipes. Também dá maior segurança a gestores e líderes setoriais na hora de repassar as informações. Se os funcionários se sentirem motivados, podem atuar como multiplicadores e estender a proposta de mudança a outros funcionários e até a suas famílias.

Saúde em dia: empresas podem combater maus hábitos

Os índices de obesidade no Brasil não são nada animadores. Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018), divulgada em 24 de julho deste ano pelo Ministério da Saúde, dá conta de que a taxa de obesidade no país passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018, um aumento de 67,%. Trata-se do maior índice nos últimos 13 anos.

O estudo evidencia que, no período avaliado, a alta do índice foi percebida de maneira mais evidente nas faixas etárias de 25 a 44 anos, justamente a parcela da população mais produtivamente ativa. Nesses grupos, o indicador subiu acima de 80%.

O reflexo nas empresas também merece atenção especial. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a alimentação inadequada é responsável no mundo por reduzir em até 20% a capacidade produtiva dos funcionários.

Trabalhadores que se alimentam mal têm mais dificuldade para se concentrar e, em geral, também são mais estressados. Ficam ainda mais propensos a gripes, alergias e distúrbios gastrointestinais. Por falta de energia e concentração, sonolência e mal-estar frequente, ficam ainda mais sujeitos a acidentes de trabalho.

Uma alimentação saudável pode reduzir índices de absenteísmo e até mesmo os custos da empresa com planos de saúde corporativos. Doenças crônicas – como hipertensão, diabetes, problemas vasculares e cardíacos – figuram entre as principais causas de afastamento do trabalho e poderiam ser prevenidas ou mesmo minimizadas por hábitos alimentares adequados.

RHMED|RHVIDA orienta as empresas na mudança

Se os funcionários fazem as refeições na própria empresa, a ajuda de uma nutricionista na elaboração do cardápio é pertinente. Se a empresa não dispuser de refeitório, pode ser feito um acordo com restaurantes de alimentação saudável das redondezas para oferecer descontos aos trabalhadores. É uma ideia simples, de baixo custo, mas com potencial para gerar grandes resultados. No caso de o colaborador trazer sua marmita de casa, é recomendável ajudá-lo a fazer as escolhas mais adequadas.

Ao demonstrar preocupação com o bem-estar de suas equipes, a empresa, automaticamente, melhora a autoestima dos colaboradores e o compromisso com a organização na qual trabalha. Ele, sem dúvida, se sentirá valorizado, trabalhará mais satisfeito, terá mais energia para executar suas funções.

 

Algumas dicas:

  • Estimular os funcionários a não pularem o café da manhã, com frutas, laticínios magros, pães e cereais integrais.
  • Se houver cantina na empresa, oferecer lanches saudáveis, com produtos integrais e sem excesso de gordura.
  • Incentivar refeições à base de vegetais, hortaliças nas refeições e proteínas magras.
  • Aderir a campanhas que estimulam os bons hábitos, como a segunda sem carne, assim como aquelas para redução do consumo diário de sal, açúcar, alimentos ultraprocessados, refrigerantes etc.
  • Sugerir pequenos lanches entre as refeições. É bom lembrar que pausas regulares durante a jornada de trabalho são sempre bem-vindas para assegurar o bem-estar do trabalhador.
  • Recomendar que os funcionários se alimentem com tranquilidade, aproveitando a refeição sem correria.
  • Associar a boa alimentação à prática de exercícios físicos, mesmo que leves, como as caminhadas. Incentivar os funcionários a fazerem uso de bicicleta para a locomoção ao trabalho e também nas horas vagas.
  • Sempre que possível, estender as campanhas de conscientização às famílias dos colaboradores. Se todos estiverem engajados, a probabilidade de resultados positivos aumenta sensivelmente.
  • Pesquisar ou criar aplicativos que possam ser usados pelos colaboradores e que incentivem hábitos saudáveis, da alimentação a exercícios físicos.
  • Criar metas e oferecer incentivos para quem cumpri-las. Isso gera um clima de motivação entre os funcionários.

Tecnologia revoluciona prevenção de acidentes

A tecnologia está presente em todos os setores da economia. Não somente nas linhas de produção das indústrias, nos centro médicos, escritórios ou canteiros de obras, entre tantas outras atividades. Mas, estrategicamente, na gestão corporativa. Graças aos avanços digitais, a administração das empresas ingressou efetivamente em outro patamar de eficiência e é capaz de organizar, implantar, agilizar e monitorar processos em toda a sua estrutura. Superando uma série de entraves e eliminando riscos que comprometem o crescimento da organização.

Com tecnologia, ganha-se tempo, aprimora-se planejamento e reduz-se burocracia. Com ferramentas corretas e adaptadas ao perfil da empresa, é possível redimensionar e controlar tarefas em todas as áreas. Gestores, profissionais de RH e de segurança no trabalho precisam atuar juntos para alinhar procedimentos e reduzir riscos de acidentes e doenças ocupacionais. Os avanços têm sido indiscutíveis, mas ainda há muito que aperfeiçoar.

É notório que a combinação entre tecnologia e segurança repercute positivamente nos negócios, ajudando também na consolidação das práticas internas e na boa imagem da empresa. Tanto em relação aos seus colaboradores quanto ao público externo e à concorrência. Quando a prevenção ocupa o pódio das prioridades em todos os departamentos, os colaboradores se sentem mais motivados e confiantes, aumentando o nível de satisfação e, por tabela, o desempenho e a produtividade.

Aplicação de tecnologia reduz custos

Por meio de softwares, a tecnologia inovou os EPIs, cada vez mais funcionais e resistentes. É possível acompanhar ainda se os funcionários receberam os equipamentos (individuais e coletivos). Quais deles já foram orientados na forma correta de usá-los e quantos ainda precisam de treinamento. Também se pode disseminar conhecimento sobre as normas de operação correta e avaliar os resultados setor por setor. Ficou muito mais fácil, por exemplo, verificar e fiscalizar o prazo de validade dos equipamentos e a periodicidade ideal para sua manutenção.

Observar índices de absenteísmo, checar exames admissionais, exames periódicos, acompanhar campanhas de vacinação. Entre outras estatísticas, fazem toda a diferença no diagnóstico de pontos mais vulneráveis e na busca de soluções. Identificar áreas de risco pela observação e análise também auxilia imensamente na prevenção de acidentes e na saúde da empresa.

Outro aspecto interessante é o uso da tecnologia nos treinamentos de segurança. Com ferramentas customizadas, é possível acessar cursos, palestras e treinamentos on-line, assim como material teórico: ebooks, manuais, apostilas etc. Com a popularização do ensino a distância (EAD), as corporações conseguem enxugar despesas. Já que os colaboradores têm a chance de participar dos cursos sem deslocamentos e ainda incentivar outros colegas de equipe a fazerem o mesmo. O EAD permite que o trabalhador assista na hora e no lugar que lhe for mais conveniente, sem prejudicar suas tarefas diárias.

 Solução multiplataforma personaliza atendimento

Nós, da RHMED|RHVIDA, propomos uma solução multiplataforma de tecnologia. Estamos integralmente adaptados à realidade dos clientes. Temos cases de sucesso em atendimento que usam nossas ferramentas proprietárias de gestão (gerenciador e vida web). Assim como exemplos dos que lançam mão de eficazes soluções de mercado, como SOC, NEXO e Sd2000, entre outras. Hoje, são mais de 150 mil vidas gerenciadas no SOC.

Além disso, a RHMED|RHVIDA proporciona competitividade para indústria e negócio. Sempre levando em conta a funcionalidade de seus programas e o dinamismo que podem imprimir às organizações. Há ferramentas que se moldam à empresa e permitem o acesso online às informações a qualquer hora, aprimorando os processos.

As nossas plataformas de gestão online facilitam a implantação, a utilização e a manutenção dos programas, atendendo às demandas e exigências de fiscalizações, auditorias e certificações. São excelentes os resultados na redução de passivos pelo demonstrativo inteligente das informações disponibilizadas.

A estrutura da RHMED|RHVIDA permite ainda customizar integrações com os mais diversos softwares, seja de folha de pagamento ou de saúde ocupacional. Nossa empresa oferece ainda sistemas já integrados com SAP, NEXO e Drake, entre outros. A camada de integração está pronta e atende à exigência do eSocial.