Posts

Segurança no trabalho depende do fator humano

Apesar de a legislação de segurança e saúde no trabalho ser bastante rigorosa no Brasil, os altos índices de acidentes ainda persistem em boa parte das empresas. A obrigatoriedade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) pelos colaboradores, a criação de comissões internas de prevenção, as brigadas de incêndio e a sinalização adequada são medidas que, comprovadamente, reduzem os riscos e produzem uma atmosfera protetiva.

No entanto, a experiência nos mostra que não há apenas uma única causa de acidentes, mas uma conjunção de fatores desencadeadores de problemas. E um dos mais importantes é o chamado fator humano, no qual as falhas se devem ao comportamento do próprio funcionário.

Você deve estar se perguntando: o que leva um trabalhador a negligenciar normas de segurança, pondo em risco sua própria integridade física e a de seus companheiros de trabalho? Na maioria dos casos, desinformação, excesso de confiança, pressa, cansaço e desatenção.

A raiz do problema pode ser arrancada, desde que haja engajamento de gestores, lideranças e equipes. Todos devem se sentir responsáveis pelo processo e compartilhar erros e acertos.

Reportar acidentes de trabalho é obrigação

Muitos gestores focam em fornecer EPIs, mas deixam de investir na instrução das pessoas, numa preparação que resulte em comprometimento e comportamento seguro na corporação. A consciência sobre os riscos e procedimentos para evitá-los precisa, obrigatoriamente, fazer parte da cultura da organização, integrar a rotina de cada um dos colaboradores em tempo integral.

Reduzir os índices de acidentes de trabalho é uma missão urgente das empresas, algo que não pode ser postergado, camuflado ou cujas consequências devam ser subestimadas. Acidentes de trabalho comprometem não somente o bem-estar dos trabalhadores, como a imagem da corporação, internamente e no mercado, e a própria produtividade.

Não raramente, alguns executivos com remuneração variável de acordo com metas e indicadores de segurança subnotificam acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Por vezes, deixam de emitir os Comunicados de Acidente de Trabalho (CAT) também como forma de evitar a elevação da alíquota do Seguro de Acidentes de Trabalho (SAT) a ser pago pela empresa.

Não reportar a ocorrência de acidentes – ou converter acidentes com afastamento em acidentes com trabalho restrito – não é, a longo prazo, uma boa prática de gestão. Pode ser até que resolva o problema naquele momento – mas é impossível esconder graves acidentes ou fatalidades. É importante, portanto, que o executivo faça uma reflexão se aquela situação cabe de fato colocar como trabalho restrito ou se vale caracterizar como acidente com afastamento e aprender todas as lições que o caso tiver para evitar fatalidades no futuro. É uma questão de consciência.

RHMED|RHVIDA ajuda a combater o “jeitinho”

Aos seus clientes, a RHMED|RHVIDA recomenda, primeiramente, agir com responsabilidade e dentro do rigor da lei. Pequenos incidentes não devem ser desprezados. Eles são sintoma de que algo está errado no esquema de segurança. Deixar de lado as evidências pode resultar em acidentes graves e até mortes.

A RHMED|RHVIDA recomenda a realização de treinamentos que evidenciem os riscos a que cada atividade está sujeita. É fundamental também educar os colaboradores sobre a importância do pensamento coletivo, mostrar dados e casos emblemáticos de acidentes provocados por negligência e seu alcance desastroso.

A organização precisa também conversar com os funcionários sobre a importância do uso correto de equipamentos de proteção. Deixar claro que o famoso “jeitinho” pode resultar em eventos trágicos – que, em grande parte, são evitáveis.

Como engajar os colaboradores na segurança da empresa

Cabe às empresas estabelecer expectativas sobre o comportamento dos funcionários; instaurar um processo eficaz de segurança no ambiente de trabalho; padronizar, instruir e monitorar as ações dos colaboradores; e criar forças-tarefa que atuem como multiplicadores de boas práticas. É igualmente aconselhável que gestores deem retorno constante dos resultados para aprimorar processos e mapear onde estão os pontos vulneráveis.

Não deixe de:

– Ouvir a equipe para saber quais as dúvidas e principais críticas.

– Oferecer todos os meios para que o colaborador se sinta seguro, desde a preparação (cursos, palestras, workshops, treinamentos etc.) até os equipamentos e condições adequadas do ambiente de trabalho (máquinas, aspectos ergométricos e EPIs).

– Fazer com que supervisores e líderes imediatos fiquem atentos às condições físicas de seus funcionários. Observar se eles têm habilidades para a função para a qual foram designados e se estão satisfeitos no setor. Desatenção, cansaço, mal-estar: tudo deve ser observado e avaliado.

– Autoestima e o comprometimento fazem parte do processo de segurança. O funcionário deve zelar por seu bem-estar, dos seus companheiros de trabalho e da empresa.

O bem-estar coletivo em primeiro lugar

Características individuais influenciam comportamentos de forma significativa e complexa. Os seus efeitos nas atividades podem ser negativos ou positivos. Cabe à empresa ficar permanentemente atenta ao comportamento de suas equipes e ajustes irregularidades.

Algumas características tendem a ser modificadas ou adaptadas, de acordo com a atividade exercida. Dos trabalhadores se espera que estejam aptos a realizar suas tarefas cotidianas de forma correta e segura. O importante é o espírito coletivo, que cada funcionário, independentemente de seu perfil e habilidades, se sinta responsável pela segurança no ambiente de trabalho, como um todo.

Com os colaboradores engajados e atentos, haverá também o surgimento de novas ideias, de novos mecanismos ainda mais eficazes. Um esforço coletivo para fazer com que, cada vez mais, a organização reduza risco e se torne segura.

A importância da sociabilização organizacional

O capital humano é fundamental para o desenvolvimento de uma empresa. Não somente por conta da capacitação, habilidade ou dedicação dos profissionais que nela trabalham, mas pela forma com que se relacionam entre si e com a própria organização. Fazer com que o colaborador se sinta confortável em seu ambiente corporativo, querido por seus colegas e acolhido por seus líderes é a melhor maneira de engajá-lo em suas atividades e seus propósitos.

Não há mistério ou fórmula mágica para fazer o funcionário se sentir parte do conjunto. Apenas é preciso incentivar e organizar a socialização das equipes.

Mas, afinal, do que consiste sociabilizar? Trata-se de um processo pelo qual o indivíduo se torna membro funcional de uma comunidade, assimilando sua cultura, reproduzindo e disseminando seus valores. É criar uma corrente coesa e solidária, na qual o indivíduo se sinta parte de um todo, responsável não só por suas tarefas, mas pelo conjunto de operações e pela coletividade.

O reconhecimento das características individuais e a melhor maneira de adequá-las às características da organização fazem parte do processo de sociabilização. Os aspectos que permeiam o processo exigem planejamento e monitoramento constante, para que tanto o funcionário quanto a corporação mantenham foco no bem-estar geral e no aprimoramento das relações internas e, consequentemente, externas.

Ninguém é uma ilha. As pessoas precisam cuidar de si, do outro e se deixar ser cuidada também. Isso cria uma atmosfera de cuidado genuíno e fortalece as relações para uma cultura de segurança dentro de uma corporação. O ambiente fica mais seguro, inclusive (e especialmente) por causa das pessoas.

RHMED|RHVIDA indica e orienta a promoção de atividades sociais dentro das empresas

Estimulamos que nossos clientes organizem atividades dentro e fora da empresa para desenvolver em seus colaboradores relações mais cordiais e sólidas.  Campeonatos esportivos, comemorações, eventos, cursos, dinâmicas de grupo, concursos, viagens e campanhas sociais são exemplos clássicos que alimentam positivamente o espírito coletivo das equipes.

Para o funcionário, é uma oportunidade de perceber, por outro ângulo, qual o espaço que ocupam na corporação e o olhar do outro sobre ele. Atividades conjuntas resultam, quase sempre, em autoconhecimento e na saudável sensação de pertencimento. Para as lideranças, a socialização permite observar, também sob outra ótica, o perfil de seus colaboradores, suas reações e habilidades nem sempre demonstradas na execução das tarefas diárias. É uma forma de extrair o melhor de cada um espontaneamente.

Campanhas para arrecadar donativos, por exemplo, costumam revelar pessoas com potencial de liderança, comprometimento e espírito coletivo.  Atividades esportivas evidenciam personalidades competitivas, assim como capacidade de trabalhar em grupo, lidar com adversidade e demonstrar rapidez de pensamento na solução de desafios, entre outras características pessoais.

Quanto mais consciente de suas potencialidades for o colaborador, mais saberá se encaixar em sua equipe e no conjunto da empresa. Quanto mais os funcionários souberem lidar com diferenças e percalços na convivência, mais fácil resolverão questões também no ambiente de trabalho. E, por fim, quanto mais a empresa souber sobre o perfil de seus trabalhadores, individualmente e no convívio social, mais saberá sobre suas capacidades e função organizacional.

Comunicação, a chave para bons resultados de equipes

Manter a equipe coesa com atividades regulares melhora a adaptação e o desempenho dos novatos, além de ajuda a manter o interesse e a participação dos funcionários mais antigos. A troca entre recém-admitidos e veteranos é sempre enriquecedora e produtiva. Sociabilizar também fortalece o relacionamento interpessoal, reduz insegurança e focos de estresse, desenvolve competências, reduz rotatividade, estimula habilidades e faz circular conhecimento.

Grupos que se comunicam com facilidade interagem melhor também no ambiente de trabalho.

Colaboradores motivados ajudam a disseminar a cultura organizacional de maneira mais efetiva. Eles passam a falar sobre o que conhecem e acreditam. Uma empresa que se preocupa com as pessoas que nela trabalham cria uma imagem positiva, saudável e feliz, interna e externamente. Ao incentivar a socialização, a corporação faz ajustes frequentes na cultura organizacional, adquire poder de adaptação e usufrui de boa reputação.

Servindo de exemplo para parceiros, fornecedores e distribuidores, a organização multiplica boas práticas e se torna referência em gestão.  Formar uma equipe que trabalhe baseada no respeito, intercomunicação, apoio mútuo e comprometimento com a empresa representa um precioso ativo do qual nenhuma empresa pode se dar ao luxo de prescindir atualmente.

Fake news geram danos de reputação e crises financeiras

“A modificação do passado é necessária por duas razões, uma das quais secundária e, por assim dizer, preventiva. A razão secundária é que o membro do Partido, tal como o proletário, tolera as condições vigentes em parte porque não dispõe de termos de comparação. Mas, de longe, a razão mais importante para que se reajuste o passado é a necessidade de salvaguardar a infalibilidade do Partido”. O trecho é da obra 1984, de George Orwell, e refere-se ao dever do Ministério da Verdade, responsável por falsificar registros históricos a fim de atender aos interesses do Grande Irmão, ditador e líder do Partido.

A história, que se passa na Oceania de 35 anos atrás, reflete parte do cenário atual de fake news. Fabricadas por pessoas e por grupos mal-intencionados, as notícias falsas são capazes de enganar e modificar a realidade. E, dentro das corporações, o impacto das fake news não é diferente. Mesmo não estando entre os temas estratégicos das empresas, a maioria (85%) manifesta preocupação com as notícias falsas, embora acredite que eventuais riscos possam ser mitigados ou evitados. O dado é do estudo “Fake News: Desafios das Organizações”, da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE), realizado a fim de compreender a dimensão do problema causado pela disseminação de notícias falsas dentro do ambiente de trabalho. O levantamento foi feito, entre 27 de fevereiro e 4 de abril de 2018, por meio de autopreenchimento em sistema online, com 52 empresas.

Guerra de narrativas

Segundo Hamilton dos Santos, diretor geral da ABERJE, se levarmos ao pé da letra, as notícias faltas ou fraudulentas não fazem parte de um fenômeno novo. “As fake news acompanham a indústria da comunicação desde os primórdios. A imprensa aprendeu a lidar com as notícias falsas, até de forma bastante tranquila, já que ela sempre contou com seus protocolos jornalísticos”, diz. Para o executivo, as fake news ganharam maior visibilidade, nos últimos tempos, por conta da guerra de narrativas. “A produção de fake news retroalimenta o conflito de opiniões”, afirma.

Tanto as organizações (35%) quanto os setores em que atuam (46%) já foram alvos de notícias falsas. De acordo com a pesquisa, para as empresas, os principais impactos relacionados à publicação e disseminação de fake news são: danos à reputação da marca (91%), à imagem da empresa (77%), à credibilidade da organização (40%), à imagem do setor (28%) e à reputação da liderança (13%); e perdas econômicas e financeiras (40%).

Propagar um informação falsa como verdadeira, para Antonio Martin, chief executive officer (CEO) da empresa de inteligência em saúde e de segurança no trabalho RHMed RHVida, pode fazer com que os colaboradores entrem em quadros de ansiedade e de depressão. “O diálogo claro, amplo e objetivo é fundamental para minimizar os impactos das fake news no ambiente corporativo”, fala.

O poder das mídias digitais


Os principais canais de acesso à informação, segundo o estudo, são jornais e revistas online (74%), jornais impressos (67%), revistas impressas (39%), agências de notícias (39%), mídias sociais (28%), televisão (22%) e blogs e fóruns onlines (2%). Os respondentes da pesquisa acreditam que as mídias digitais são as que mais publicam fake news.

Além disso, o compartilhamento de notícias entre amigos e familiares pelas redes sociais é visto por 47% dos participantes com alta incidência de fake news. “A produção de informação fugiu do controle por conta das redes sociais, eliminando a divisão entre o emissor e o receptor. Assim, o consumidor de informação passou a ser um produtor de conteúdo, porém, sem os controles necessários de checagem”, clarifica Hamilton.

No entanto, Ana Paula Tavares, CEO e fundadora da Aporama, empresa focada em marketing digital, as rede sociais também se tornaram agentes importantes no combate e controle de informações falsas. “Não por acaso, Mark Zuckerberg, na última conferência do Facebook, anunciou uma série de projetos que incluem a revisão e a confirmação de notícias locais, divulgadas nas redes sociais por meio de cooperação de escritórios parceiros”, lembra. Em março deste 2018, o Facebook lançou vídeo sobre fake news. A campanha aconselha que as pessoas não acreditem em tudo que leem na internet e lembrem seus amigos e familiares a pensarem antes de compartilhar ou curtir alguma informação. Confira vídeo:

Rigor na checagem


Para o diretor geral da ABERJE, as empresas e os gestores têm buscado incluir, em seus quadros, profissionais de análise que entendam o impacto das notícias falsas em seus negócios. “É preciso aumentar o rigor e criar alternativas de checagem. Campanhas de conscientização também são importantes”, adiciona. De acordo com o estudo da associação, a maioria (76%) das organizações não possui estrutura formal para acompanhamento e gestão da publicação de fake news. Das que tem, 20%, essa estrutura está configurada como uma área interna (78%) e encontra-se subordinada à área de comunicação (89%). O restante das empresas, 4%, está implementando uma área focada em notícias falsas.

No futuro, Antonio acredita que os colaboradores terão consciência de que é imprescindível chegar notícias. Ana alerta que é necessário realizar mais pesquisas para entender os sistemas existentes a fim de elaborar novas leis e padrões de criação, publicação e disseminação da informação. “Continuamos a observar um número crescente de bots compartilhando conteúdos falsos, influenciando principalmente a política e a opinião da sociedade sobre assuntos sensíveis”, diz a CEO e fundadora da Aporama. Mas, para Hamilton, no futuro, será preciso lidar com outros problemas, como as deepfakes, vídeos e conteúdos fraudulentos criados por meio de inteligência artificial (IA): “Será, cada vez mais, difícil distinguir a realidade com o mundo virtual”.

 

 

FONTE: MEIO E MENSAGEM

Prevenção assegura saúde no ambiente de trabalho

Prevenir é melhor do que remediar. Se alguém ainda nutria qualquer dúvida sobre a precisão desse ditado popular, uma pesquisa encomendada pela Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) evidencia, de forma reversa, a importância da prevenção de doenças mesmo antes da revelação de qualquer sintoma.

O estudo reúne dados que ajudam a entender como a mania nacional de postergar a visita ao médico pode ser nociva aos indivíduos e à sociedade. Segundo o levantamento, realizado entre os dias 28 de março e 7 de abril deste ano, 72% dos pacientes com males crônicos só descobriram o problema após o aparecimento de sintomas. Nesse grupo, 48% acreditam que a doença teria sido evitada com os exames prévios e 40% acham que avaliações complementares ajudariam de forma mais efetiva na prevenção.

Ainda de acordo com a pesquisa, 96% dos entrevistados consideram exames laboratoriais necessários e importantes na manutenção da saúde. Somente 17% dos pacientes dizem que os médicos solicitam mais exames do que o necessário. Metade dos doentes admite que buscar ajuda médica com antecedência poderia evitar a doença ou retardá-la. Pensam que os exames laboratoriais são úteis ou muito úteis para o tratamento 95%. Já 64% dos pacientes crônicos afirmam fazer controle da doença por meio de exames laboratoriais.

 Prevenção é investimento para empresas

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estima que pacientes doentes custam sete vezes mais do que um paciente saudável na mesma faixa etária. Outro estudo, da Universidade Federal de São Carlos, indica que doenças que só possuem alterações laboratoriais, sem manifestar sintomas, têm alta chance de cura se detectadas com antecedência: 90%.

Já que está tão claro que a prevenção só traz benefícios a indivíduos e empregadores, por que, então, a resistência em tornar a prevenção uma rotina?

O aspecto cultural é muito forte. Boa parte das empresas ainda encara os investimentos em programas eficazes de saúde como gastos supérfluos. Na crise, são os primeiros a entrarem na lista de cortes orçamentários. Ainda não há a percepção de que o absenteísmo é muito mais danoso financeiramente à organização do que a prevenção.

Também falta a visão mais ampla de que uma equipe saudável – física e mentalmente – se torna ainda mais produtiva.

No caso dos colaboradores, há, como já citamos anteriormente, o velho hábito de adiar exames. “Não é urgente”, “semana que vem vejo isso”, “estou me sentindo bem” etc.

 RHMED|RHVIDA ajuda a disseminar cultura da prevenção

Por meio de seu Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), a RHMED|RHVIDA orienta as empresas no desafio de levar a seus colaboradores informações sobre a importância da prevenção na manutenção do bem-estar. O primeiro passo é auditar e digitar 100% dos Atestados de Saúde Ocupacional (Asos) de forma que seja possível fazer gestão a partir dos resultados dos exames admissionais.

A RHMED|RHVIDA ajuda seus clientes a fazer gestão integral da saúde por meio de um corpo técnico com experiência diferenciada em segurança e saúde ocupacional: médicos do trabalho; equipe de enfermagem, especialistas e peritos; engenheiros e técnicos em segurança do trabalho; fonoaudiólogos; psicólogos; fisioterapeutas e assistentes sociais. Todos os serviços são customizados, atendendo às necessidades específicas de cada corporação.

São recomendadas campanhas de esclarecimento sobre saúde, com palestras e ações que favoreçam a circulação de informação segura e relevante. É importante que o colaborador chega engajado, se sinta parte do planejamento.

Saúde é fundamental para todos. Todos precisam fazer a sua parte, individualmente e no nosso ambiente de trabalho.

Vamos falar de imunização?

Os meses de abril e maio foram especialmente importantes para o calendário de vacinação no país, com campanhas contra sarampo e gripe. Referência mundial em imunização, o Brasil desceu alguns degraus em seu patamar de excelência, pondo em risco não só a população infantil – principal público-alvo da maior parte das campanhas – como adultos e idosos. Segundo dados do Ministério da Saúde de 2018, houve uma queda média de 20% nos índices de vacinação.

Mas, afinal, o que está provocando esse retrocesso nos dados da saúde pública?

A resposta é simples: desinformação. Vivemos tempos de fake news, em que notícias falsas se espalham em tempo real, sem controle, levando medo à parte da população. Campanhas oficiais não conseguem contra-atacar com a mesma velocidade e eficácia, criando hiatos nos quais crescem teorias alarmantes e infundadas. Efeitos colaterais desastrosos e uma série de outras teses sem qualquer fundamento ganham peso nas redes sociais, enfraquecendo as campanhas institucionais de imunização pelo Brasil afora.

Empresas têm responsabilidade social

A RHMED|RHVIDA tem mostrado a seus clientes a importância de falar e promover a saúde no ambiente de trabalho. Defendemos que as organizações, independentemente do porte e do número de funcionários, discutam assuntos ligados ao tema, com informação objetiva e transparente. É importante observar a área de atuação e priorizar quais vacinas são mais importantes para o corpo de funcionários.

Para as empresas, é imprescindível manter colaboradores bem informados sobre prevenção e formas de contágio de diferentes doenças. E a adesão às campanhas de vacinação é parte fundamental desse compromisso. Os benefícios são inestimáveis. No ambiente de trabalho, por exemplo, evita-se a gripe, uma das principais causas de afastamento do trabalho. Evita-se também que o vírus circule, contaminando outros funcionários e reduzindo a produtividade. No campo macro, presta-se um grande serviço à sociedade, reduzindo contágio e proliferação do número de casos e, até mesmo, óbitos no Brasil. A gripe é de fácil disseminação em ambientes fechados e capaz de causar quadros extremamente graves, sobretudo em pessoas de risco como gestantes, idosos e adultos portadores de doenças crônicas.

RHMED|RHVIDA defende esclarecimento permanente

Quando levamos informação correta e segura aos colaboradores estamos contribuindo para que, automaticamente, eles se transformem em multiplicadores dessas informações. Tanto no ambiente de trabalho quanto no seu círculo familiar e de amigos. É a melhor forma de combater fake news e colaborar para o crescimento dos índices de imunização. É uma forma também de a empresa evidenciar que a saúde de seus funcionários é importante, assim como ratificar seu compromisso com a responsabilidade social.

Além da informação, é importante que as organizações facilitem ao máximo o acesso de seus colaboradores à vacinação, promovendo campanhas de imunização na própria corporação ou liberando horas da jornada de trabalho para que ele possa comparecer – ou mesmo levar seus filhos – a postos de vacinação. É importante também estar atento às necessidades de cada empresa, para priorizar a carteira de vacinação, prevenindo assim doenças relacionadas diretamente às condições e ao ambiente de trabalho.

Imunização: Importante ficar atento à carteira de vacinação

O que é vacina?

A vacina desperta a chamada memória imunológica, que é a produção antecipada de anticorpos que reconhecerão o invasor e partirão para a defesa do organismo. A resposta rápida e eficaz à infecção previne diversas doenças, como gripe, sarampo, tuberculose, hepatite e rubéola. As vacinas são necessárias em diferentes fases da vida e é importante estar sempre atento às campanhas de imunização. Cuidar bem da carteira de vacinação também é importante.

Com a carteira de vacinação em dia

Para adultos com esquema completo de SCR, não há evidências que justifiquem uma terceira dose como rotina, podendo ser considerada em situações de surto de caxumba e risco para a doença. Quem perdeu a caderneta e não lembra se já está imunizado pode, quase sempre, repetir a dose, sem riscos à saúde. De qualquer forma, o ideal é consultar previamente um médico ou fazer um exame de sangue para confirmar se há necessidade ou não de se vacinar.

Em relação à vacinação de profissionais lotados em serviços de saúde, deve-se considerar a vacina da coqueluche, especialmente indicada para profissionais da neonatologia, pediatria e os que lidam com pacientes pneumopatas; a vacina hepatite A está especialmente indicada para profissionais da lavanderia, da cozinha e manipuladores de alimentos; as vacinas meningocócicas ACWY e B estão indicadas para profissionais da saúde da bacteriologia e que trabalham em serviços de emergência, que viajam muito e exercem ajuda humanitária/situações de catástrofes; a vacina varicela está indicada para todos os suscetíveis.

Vacinas

– Hepatite B: São três doses. A segunda dose deve ser tomada um mês após a primeira e a terceira, seis meses após a segunda. É contraindicada para pessoas com baixa imunidade.

– Tríplice viral (SRC): Protege contra sarampo, caxumba e rubéola. São duas doses na infância, em crianças acima de 1 ano de idade. O Ministério da Saúde anunciou para junho uma campanha nacional de vacinação para frear o aumento de número de casos da doença no país. Além da campanha, o órgão recomenda a vacinação de rotina contra o sarampo para todas as crianças a partir dos 12 meses. Na rede pública, a aplicação é dividida em duas doses: a primeira aos 12 meses, com a vacina tríplice viral (sarampo-caxumba-rubéola), e a segunda aos 15 meses, com a tetraviral (sarampo-caxumba-rubéola-varicela). Dos 5 até os 29 anos, são indicadas duas doses, com intervalo de 30 dias. Já dos 30 até os 49 anos, uma dose é suficiente.

A vacina é contraindicada para menores de 6 meses, pacientes imunodeprimidos e gestantes. Recomenda-se também que a mulher espere 30 dias após a vacina para engravidar, devendo fazer uso de métodos contraceptivos nesse período. Pacientes que precisarão fazer uso de drogas imunossupressoras devem aguardar pelo menos um mês após a vacinação para início do tratamento. Já aqueles que estão fazendo uso de drogas imunossupressoras não podem receber a vacina e devem discutir com o seu médico o período indicado. A imunização contra o sarampo é contraindicada para Indivíduos alérgicos a qualquer componente da vacina, inclusive o ovo.

– Dupla adulto (dt): Protege contra difteria e tétano. Recomenda-se a imunização a cada dez anos, por toda a vida. Pacientes que apresentam febre ou infecção tetânica não podem tomar a vacina.

– Febre amarela: Em casos de dose completa, a recomendação da Anvisa foi alterada em 2017, em que a proteção passa a ser permanente, com instrução da troca do certificado de vacinação internacional, com o novo critério. É indicada, prioritariamente, para quem reside ou vai viajar a lugares onde o risco da doença é alto. É contraindicada para as gestantes ou mulheres em fase de amamentação, pessoas com baixa imunidade ou que apresentem quadro infeccioso, indivíduos com histórico de reações anafiláticas a ovos de galinha e seus derivados, gelatina, eritromicina e canamicina. É contraindicada também para pessoas com história de doenças do timo, como miastenia gravis, timoma ou timectomia.

– Gripe: As cepas de vírus são atualizadas anualmente e, para a perfeita e correta imunização, recomenda-se nova dose todos os anos, preferencialmente nos meses de abril a maio, para garantia de tempo mínimo de resposta imunológica antes do período de maior incidência da doença, inverno.

Gestão de riscos no combate às incertezas

A imprevisibilidade não combina com o mundo dos negócios. Ciente de que há sempre a chance de algo dar errado, é obrigação das empresas tomar todas as providências imagináveis para evitar acidentes e doenças no ambiente de trabalho. O gerenciamento de riscos corporativos (enterprise risk management, em inglês) é um escudo imperioso, capaz de assegurar tranquilidade aos colaboradores, preservar a reputação da empresa, sustentar a produtividade e, o mais importante, salvar vidas.

Investir em gestão de risco vai, portanto, muito além de única e simplesmente obedecer às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho. É um compromisso com a ética e a transparência. Compromisso que começa dentro das organizações e se estende de forma emblemática a toda sociedade. E não são somente temas ligados a acidentes de trabalho e doenças laborais. Há também questões como danos morais, riscos financeiros e de ajuste de conduta.

O gerenciamento de risco lida basicamente com situações que podem trazer qualquer ameaça à integridade dos funcionários, à imagem da empresa e à sua própria estrutura física. Além de serem conduzidos por lideranças – diretoria, conselho de administração e chefes de equipes –, os problemas e as estratégias precisam ser identificados, entendidos, analisados, discutidos e adotados por todos os colaboradores.

Por meio de cuidadoso planejamento, que pode incluir palestras, workshops e simulações, entre outras ações, a gestão de risco deve se integrar naturalmente à cultura da empresa, de forma descomplicada e orgânica.

RHMED|RHVIDA orienta na gestão de riscos

A RHMED|RHVIDA tem mais de 1,1 milhão de vidas sob gestão, com expertise comprovada no atendimento de diversos graus de risco e capacidade de atender às operações mais complexas. Sabemos que o gerenciamento de riscos deve adotar medidas capazes de equilibrar a necessidade da prevenção e os custos para evitá-los. É um investimento estratégico, capaz de manter a saúde da empresa e assegurar que, mesmo diante de uma situação indesejável, os impactos negativos – internos e externos – sejam minimizados ou até mesmo anulados.

Sabemos ainda que riscos são condições ou circunstâncias futuras negativas que podem – e devem – ser evitadas. E ajudamos nossos clientes a diagnosticar, primeiramente, quais os pontos vulneráveis da empresa, qual a probabilidade e a frequência com que os problemas identificados acontecem e a melhor forma de solucioná-los com o menor peso no orçamento da organização. Tudo deve ser observado e qualquer falha na segurança, combatido.

Claro que há corporações com atividades de menor ou maior risco, que demandam investimentos de diferentes calibres. Mas é importante frisar que não existe uma empresa imune a situações inesperadas. Portanto, mapear a corporação auxilia a responder pronta e cirurgicamente a acidentes ou outros acontecimentos negativos. Não podemos trabalhar com qualquer margem para erros.

Como sempre, o engajamento dos funcionários é mais do que necessário. São eles, afinal, que estão diretamente nas linhas de produção, nos canteiros de obra, nas plataformas de óleo e gás, escritórios, nos shoppings, hospitais, escolas etc. Devem ser ouvidos em todo processo de planejamento e, mesmo depois, para atualização das estratégicas, à medida que novas necessidades e problemas forem surgindo. Trata-se de um trabalho contínuo, que exige observação permanente e atualização constante.

O compartilhamento de informações seguras é sempre bem-vindo e ajuda bastante em todo o esquema, inclusive na transmissão de fatos novos ou situações emergenciais.

Em resumo, como, em linhas gerais, evitar riscos?

Planejar: Traçar normas e estratégias que vão determinar o passo a passo da construção de um projeto de gestão de risco para a empresa.

Identificar e localizar o risco: Observar os pontos frágeis na estrutura da corporação e, setor a setor, verificar a probabilidade de que ocorreram problemas ou ainda verificar a frequência com que eles ocorrem. Conhecer as áreas vulneráveis ajuda a montar o planejamento.

Análise qualitativa: Enumerar e priorizar por grau de risco e intensidade do impacto.

Análise quantitativa: Criar gráficos com dados sobre os acontecimentos já registrados e os setores vulneráveis. É bom ter em mente o perfil de cada empresa e seu setor de atuação.

Respostas a incidentes: Dentro do planejamento, criar métodos, técnicas e estratégicas que permitam rápida reposta a qualquer incidente, sempre buscando mitigar qualquer impacto à empresa ou à comunidade.

Monitorar: Além do planejamento de respostas aos riscos, deve haver monitoramento dos residuais, identificação de novos e avaliação da eficácia dos processos.

Controlar: A tecnologia é aliada preciosa. Permite agilidade na percepção e na solução de problemas.

Transparência: Riscos nunca devem ser ignorados ou camuflados. Todos devem se engajar no processo. Precisam se sentir responsáveis pelo bem-estar geral e pela saúde da empresa. Cada colaborador deve se enxergar como um aliado e ter liberdade para questionar métodos e dar sugestões. Simulações e treinamentos periódicos das equipes muitas vezes são essenciais.

Comunicar e compartilhar: Informação útil e segura deve circular. Não apenas na empresa em questão, mas entre fornecedores, parceiros, familiares de colabores etc. Informação é aliada bem-vinda e pode ajudar a salvar vidas.

Segurança no trabalho é prática sustentável

Sustentabilidade é um conceito que ganhou força nas últimas duas décadas e hoje integra a maior parte das cartilhas das empresas no Brasil, que procuram uma prática sustentável. Não há dúvida de que cuidar do meio ambiente é fundamental, uma forma de garantir o equilíbrio do ecossistema e a nossa sobrevivência no planeta. As primeiras coisas que nos vêm à cabeça ao ouvir a palavra são preservação dos rios, qualidade do ar, defesa das matas e da fauna, reciclagem de lixo,  pesquisa de materiais biodegradáveis etc.

Mas, apesar do senso comum, o significado de sustentabilidade é ainda mais abrangente. Segundo definição do Relatório de Brundland, de 1987, um dos primeiros a definir o termo em nível mundial: “Desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem às suas necessidades e aspirações”. Ou seja, é tudo aquilo que engloba o bem-estar dos seres humanos na sociedade.

E como falar de bem-estar sem incluir segurança no trabalho entre as prioridades?

Mais do que cuidar da Terra, precisamos primeiramente cuidar uns dos outros. A segurança do trabalho tem o objetivo de estabelecer na empresa uma cultura em que a promoção da saúde do trabalhador seja relevante e garantida. O desenvolvimento saudável das empresas depende da saúde física e mental dos colaboradores e isso reflete direta e positivamente na sociedade.

RHMED|RHVIDA ajuda a enfrentar desafios

Alinhar a sustentabilidade e prática sustentável com a segurança do trabalho é um desafio para os gestores de empresas. Não basta apenas cumprir o que determina a lei em relação aos cuidados no ambiente de trabalho, mas desenvolver boas práticas que minimizem ao máximo os riscos, que assegurem a prevenção de doenças laborais, promovam campanhas de prevenção de acidentes, incentivem boa alimentação e exercícios físicos e ainda ofereçam acompanhamento psicológico, entre outros cuidados.

Ao investir na qualidade de vida da sua equipe, as empresas melhoram não apenas a produtividade e os resultados internos, como também a vida pessoal de cada colaborador, que se torna mais confiante e motivado, dentro e fora da corporação. Tudo isso ajuda a construir uma sociedade sustentável, capaz de gerar conscientemente seus próprios recursos e soluções para os problemas ocasionadas pelo crescimento econômico.

É importante também mostrar ao funcionário que ele é responsável pelo seu próprio bem-estar e o de seu ambiente de trabalho. Ele precisa estar engajado na ideia de que multiplicar boas práticas vai ajudar a fazer a diferença e construir uma empresa e uma sociedade mais saudáveis e seguras. A sustentabilidade está em criar mecanismos em que todos saiam ganhando, todos fiquem felizes e plenos em suas atividades.

 A oportunidade de falar de responsabilidade social

Muito se fala de responsabilidade social e prática sustentável, mas será que todos têm a plena noção do que representa?  Preocupar-se com o planeta e as pessoas que nele vivem é, sem dúvida, a primeira delas. Além de cuidar da saúde e da segurança dos colaboradores, as empresas precisam também torná-los cidadãos compromissados com o ambiente de trabalho, familiar e social.

Incentivar boas práticas internas e externas, como coleta seletiva de lixo, redução de emissão de poluentes, atividades de baixo impacto ambiental, preservação de áreas verdes pode gerar pronta resposta nas equipes, que vão se sentir parte de um todo, de um projeto de futuro. Ouvir sugestões dos funcionários também cria um canal precioso de comunicação e confiança em que todos se sentem parte importante, agentes.

Novos tempos, produtivos e prósperos, se constroem com trabalho e ações em conjunto. Com segurança, saúde e responsabilidade para todos.

Brasil é o país com maior número de pessoas com ansiedade

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o Brasil é campeão em ansiedade e que o país vive atualmente uma epidemia do transtorno. De acordo com o estudo, são 8,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivendo com a doença.

Também considerada um dos males do século, a ansiedade acomete mais as mulheres: cerca de 7,7% delas são ansiosas, o dobro do total de homens (3,6%)

Em comparação com a pesquisa anterior, divulgada em 2005, o último relatório da OMS descreve um aumento na frequência de transtornos depressivos e de ansiedade em todo o mundo, apontando para o crescimento populacional e aumento da longevidade como fatores contribuintes para o quadro atual.

“É importante conhecer e estar atento a sintomas pouco relacionados à ansiedade – caracterizada por sentimento vago de medo, apreensão, tensão ou desconforto derivado de antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho. Sensação de fraqueza ou cansaço, respiração ofegante ou falta de ar, dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração, problemas para dormir e tensão muscular são sintomas desconhecidos de grande parte da população”, explica Amanda Santana, psicóloga da RHMED especializada saúde ocupacional.

“Há também os mais clássicos: irritabilidade, constante tensão ou nervosismo, problemas de concentração, descontrole sobre os pensamentos, dificuldade de esquecer o objeto de preocupação, além de tremores nas mãos ou em outras partes do corpo”, enfatiza a especialista.

Pesquisas desse tipo são relevantes, pois servem de guia de ações dos governos para a formulação de políticas públicas de prevenção e/ou tratamento.

Transtorno de ansiedade

O Ministério da Saúde ainda cita outros sinais do transtornos da ansiedade, tais como:

  • preocupações, tensões ou medos exagerados (a pessoa não consegue relaxar);
  • sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer;
  • preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho;
  • medo extremo de algum objeto ou situação em particular;
  • medo exagerado de ser humilhado publicamente;
  • falta de controle sobre os pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade;
  • pavor depois de uma situação muito difícil.

 

FONTE: CATRACA LIVRE

Síndrome de Burnout será incluída na Lista Internacional de Doenças

“Quem nunca se estressou no trabalho? Frases como: ‘estou estressado com o trabalho’ ou ‘não aguento mais o meu trabalho’ podem ser ditas diante de momentos difíceis. Porém, é preciso ficar atento até que ponto esse tipo de frase é só um desabafo. Em 1970, um psicanalista alemão denominou o estresse crônico no trabalho como”(…) um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional”.

Atualmente, a Síndrome de Burnout é definida como um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse, provocados por condições de trabalho desgastantes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define o conceito de saúde como “um completo estado de bem-estar físico, mental e social e não somente a ausência de doenças e enfermidades”. Desta forma, percebemos que este conceito engloba uma visão muito mais ampla a respeito do estado de saúde plena, tendo significado coletivo e não somente individual. A manutenção da higiene mental é necessária para todos.

Manter um equilíbrio mental pleno requer uma boa adaptação às exigências do meio e um ajustamento do indivíduo dentro da comunidade em que ele está inserido. Com o passar dos anos, ocorre excessiva demanda de atenção, produção e participação, que, muitas vezes, as pessoas não têm capacidade de corresponder. O indivíduo é cobrado para produzir e render mais no trabalho, por meio do aumento da carga horária e horas extras, exigindo maior concentração e desempenho mental, consequentemente, abdicando do tempo de lazer e de relacionamento com familiares e vida social.

Sua principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocados por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. A síndrome se manifesta, especialmente, em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.

Para identificar o distúrbio, é preciso avaliar alguns sintomas psíquicos, como agressividade, ausência no trabalho, isolamento, mudanças de humor, dificuldades de concentração, ansiedade, depressão, baixa autoestima entre outros; e alguns sintomas físicos, como sudorese, palpitação, pressão alta, enxaqueca, cansaço, dores musculares, entre outros, podem estar associados à síndrome. O início dos sintomas pode se dar pelo acúmulo de tarefas, responsabilidades, exigências e pressões sofridas pela alta demanda de trabalho. Há três componentes principais: esgotamento físico e mental, sensação de impotência e falta de expectativas.

Os profissionais mais acometidos pela doença são áreas da educação, saúde e segurança pública. A mulher é a que mais sofre com a sobrecarga da dupla jornada de ter um emprego e cuidar da casa e da família, cenário que pode levar à Síndrome de Burnout. Como formas de prevenir, lidar e combater a síndrome, é recomendável a prática de esportes, meditação, sono adequado e acompanhamento psiquiátrico.

O diagnóstico é realizado por profissional de saúde mental, seja ele psicólogo ou psiquiatra. A partir dos sintomas apresentados, história pessoal e contextualização do momento atual, o profissional realiza o diagnóstico. Com relação ao tratamento, em muitos casos, será necessária a associação de medicação e psicoterapia.

PROFISSIONAL DA RHMED|RHVIDA

Estudos apontam que a Síndrome de Burnout vem aumentando progressivamente e o aconselhável é que as organizações proporcionem uma melhor qualidade nos ambientes de trabalho, qualificando seus funcionários para exercer uma boa liderança.

“O objetivo é que tenham a sensibilidade de enxergar as pessoas que apresentam algum desconforto diante de suas atividades e encaminhar para ajuda profissional, antes que se torne um grave distúrbio”, finaliza Amanda Santana, psicóloga da RHMED|RHVIDA, líder em saúde, segurança do trabalho e saúde ocupacional.

 

FONTE: SRzd

OIT aponta para seriedade de condições do trabalhador

Segundo dados mais recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT), morrem anualmente em todo o mundo cerca de 2,3 milhões de pessoas em acidentes de trabalho, dos quais mais de 2,02 milhões causados diretamente pelas atividades realizadas sem proteção adequada ou de forma indevida, além de doenças relacionadas às funções dos trabalhadores. As estatísticas globais, portanto, dão conta de que: a cada cinco minutos, 20 trabalhadores morrem. O número de feridos chega a 300 milhões todos os anos.

Em termos financeiros, a estimativa é de que os acidentes de trabalho correspondem a 4% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial em termos de dias perdidos, gastos com saúde, pensões, reabilitação e reintegração. E especialistas no assunto em todo o mundo frisam que os cálculos sobre mortos e feridos não chegam perto de representar a magnitude do problema, nem o impacto real na vida das famílias dos trabalhadores e nas economias dos países.

O mesmo levantamento aponta que a prudência e o cuidado com o bem-estar dos colaboradores em ambiente corporativo ainda são os principais aliados na redução de sinistralidades. A pergunta que fica então é: o que falta para que as empresas comecem a agir?

OIT mostra os dados do Brasil

O Brasil ocupa hoje o quarto lugar mundial no ranking de acidentes e doenças do trabalho em todo o mundo. Segundo os dados da OIT, cerca de 1,3 milhão de casos de acidentes com brasileiros têm como principais causas o descumprimento de normas básicas de proteção aos trabalhadores e más condições nos ambientes e processos de trabalho. O país perde apenas para China (14.924), Estados Unidos (5.764) e Rússia (3.090) em número de mortes anuais: por aqui a média é de 2.503 óbitos.

Por que então, as empresas não aplicam mais esforços no estancamento dessa ferida?

Especialistas da área de SST (Saúde e Segurança do Trabalho) em todo o mundo acreditam que obter dados confiáveis facilita a determinação de prioridades e serve de base para calcular o progresso no setor. E a redução do número acidentes de trabalho está estritamente ligada a políticas de prevenção e que abrangem também as condições de trabalho além do ambiente corporativo.

RHMED|RHVIDA ajuda a estruturar procedimentos de segurança

A RHMED|RHVIDA vem ajudando empresas brasileiras não apenas a estruturar o quadro de saúde e segurança de seus funcionários, como a estabelecer procedimentos a partir da conscientização sobre a importância em investir na prevenção.

Ao aplicar capital na área de SST ganham todos: trabalhador e sua família, empregador e empresa, governo e sociedade com um todo, com o retorno de um empregado saudável e rentável. O investimento é fundamental para prevenir acidentes, adoecimentos, ausências e presenças no ambiente de trabalho. E é fundamental para evitar uma série de outros prejuízos.  Além dos impactos diretos sobre o trabalhador, há despesas como multas e interdições parciais ou totais da empresa, que podem ser evitadas ao se seguir as normas estabelecidas pelo Ministério do Trabalho.

Os cálculos feitos pelo setor apontam que​, em média, para cada real investido em prevenção de acidentes e promoção da saúde do trabalhador, há um retorno de aproximadamente três reais, demonstrando, assim, que a ações de prevenção agregam ao negócio.

Para mudar o quadro negativo da área, é necessário, portanto, que se mude a mentalidade em relação aos investimentos em segurança e saúde do trabalhar. O dinheiro aplicado neste setor não deve mais ser visto como gastos, mas como investimento.