Posts

RHMED|RHVIDA amplia serviço de desinfecção na volta ao trabalho presencial nas empresas

Com a retomada de grande parte das atividades econômicas e a volta gradual à jornada presencial, a RHMED|RHVIDA adequou e ampliou seus serviços para garantir o bem-estar de colaboradores internos e de empresas clientes à nova realidade do ambiente corporativo. Por meio de rigoroso planejamento, que inclui pesquisa, parcerias e tecnologia, tem sido possível cuidar da segurança dos trabalhadores, com excelentes resultados, em diferentes áreas de atuação.

Além dos serviços de inspeção, monitoramento e triagem dos funcionários por app – com criação da Central Saúde em Dia, telemedicina e alocação de profissionais de saúde -, houve a incorporação de desinfecção em postos de trabalho nas unidades da própria RHMED|RHVIDA, assim como nas de clientes.

Manutenção dos processos necessita de engajamento de colaboradores

O gerente de Segurança do Trabalho da RHMED|RHVIDA, Carlos Meneses, destaca a importância da desinfecção nas empresas atualmente, com o retorno das equipes ao espaço físico das organizações.

“Começamos a desinfecção com demandas específicas, voltadas às empresas de atividades essenciais, que não puderam interromper suas jornadas presenciais totalmente. A partir daí, os clientes começaram a ver a necessidade e a importância do nosso trabalho. No retorno das equipes às corporações, a desinfecção se tornou uma grande aliada na prevenção e no controle de transmissão da doença”, explica Carlos.

O gerente de Segurança do Trabalho diz ainda que cada empresa, atividade e situação exige um modelo personalizado. Segundo ele, a desinfecção emergencial, por exemplo, é necessária quando são registrados casos de contaminação pela Covid-19 na empresa. “Ao se identificarem casos, atuamos de forma rápida para garantir o ambiente mais seguro às demais pessoas”, completa.

De acordo com Carlos, o foco inicial foram atividades críticas que necessitavam de uma resposta urgente e eficaz. “Fizemos parceria com uma empresa especialista em desinfecção para que pudéssemos atender a setores mais remotos ou críticos, como no caso de Offshore. Conseguimos dar resposta rápida, já que nossa equipe parceira acumula muita experiência em processos de desinfecção, até mesmo em nível internacional. Quando somos acionados com um caso de coronavírus, nossas equipes fazem desinfecção com saneantes e quaternárias, substâncias regulamentadas pela Anvisa. As emergências têm prazo de, no máximo, 48 horas para serem atendidas”, relata Carlos.

Ele lembra que a desinfecção, por si só, não é capaz de evitar a disseminação do vírus numa empresa. Para ele, o processo exige manutenção diária, com limpeza criteriosa nas superfícies de contato, como maçanetas, corrimãos, teclados etc. “É o que chamamos de desinfecções diárias. Já a desinfecção maior, que é o serviço que prestamos, faz parte desse todo, sendo feita mensalmente e complementando a limpeza e desinfecção diárias”, esclarece o gerente de Segurança.

No processo diário, o engajamento dos colaboradores na rotina de higienização dos postos de trabalho é fundamental, com aplicação frequente de álcool nas superfícies. Boas práticas de higiene pessoal, como lavar as mãos constantemente, usar máscara e manter o distanciamento social, são igualmente importantes.

Dicas para tornar o ambiente de trabalho seguro:

– Medir temperatura dos colaboradores na entrada do trabalho.

– Instalação de dispersores de álcool gel 70%.

– Ações de conscientização das equipes por meio de circulação de informação confiável.

– Fornecimento de EPIs adequados.

– Monitoramento das equipes para saber se estão seguindo as normas corretamente.

– Reforço da obrigatoriedade da distância mínima entre as pessoas.

– Definição e análise dos sanitizantes certificados pela Anvisa.

– Descarte e coleta de resíduos com cuidados redobrados.

 

RHMED|RHVIDA aplica testes rápidos de Covid-19

Volta ao trabalho com segurança e saúde. Após o longo período de isolamento social, em virtude da pandemia de Covid-19, a RHMED|RHVIDA adequou orientações e práticas à nova realidade corporativa. Com mais de 20 anos de presença no mercado e um milhão de vidas sob gestão, a empresa tem aplicado testes rápidos em seus clientes. Somente no ramo varejista, em cinco grandes empresas do setor, foram realizados 6250 testes.

A medida, possível graças à parceria com laboratórios credenciados, começou em maio, durante a fase mais crítica de disseminação da doença, e consiste na coleta de uma pequena amostra de sangue do dedo para detectar a presença de anticorpos IgG e IgM. O resultado – interpretado por um profissional de saúde – é conhecido em 10 a 30 minutos e leva em consideração também informações clínicas, sinais e sintomas relatados pelo colaborador.

Segundo Cristiane Motta, coordenadora da Área de Atendimento da RHMED|RHVIDA, os testes são aplicados por médicos ou técnicos de enfermagem. No primeiro caso, se o exame der positivo, o funcionário já recebe todas as orientações necessárias sobre isolamento, agravamento de sintomas e medidas sanitárias para evitar o contágio de outras pessoas. Caso o teste tenha sido aplicado por técnicos de enfermagem, a consulta médica é feito por teleatendimento. Há ainda a possibilidade de realizar monitoramento do paciente.

Cristiane Tonello, Gerente da Área de Atendimento da RHMED|RHVIDA comenta que o novo serviço já é uma realidade para clientes de todos os segmentos. “Vimos que poderíamos fazer mais por nossos clientes logo no começo da pandemia. E eles estão muito satisfeitos porque sabem que estamos sempre a postos para atendê-los da melhor maneira possível”, afirma.

Medidas de prevenção e segurança nas empresas

Além do teste rápido, a RHMED|RHVIDA incorporou aos seus procedimentos inspeção das medidas de proteção; desinfecção e sanitização de áreas afetadas; monitoramento e triagem de colaboradores por app; criação da Central Saúde em Dia /telemedicina e alocação de profissionais de saúde e segurança para realização de serviços diversos.

Prevenção é essencial no combate ao câncer

Esta semana há duas datas de extrema relevância para a saúde dos colaboradores de sua empresa. A primeira é o Dia Mundial do Câncer (04/02), instituído há 15 anos pela União Internacional para o Controle do Câncer. Logo em seguida (05/02), é a vez de lembrar o Dia Nacional da Mamografia, criado em 2013, com o objetivo de chamar a atenção para a necessidade da detecção e do diagnóstico de tumores de mama em estágio inicial.

Complementares, as campanhas têm contribuído para a conscientização da população quanto à importância da prevenção da doença, que mata anualmente, em todo o planeta, dez milhões de pessoas. Estima-se que uma a cada seis mortes tenha o câncer como causa.

A incidência do câncer cresceu 20% na última década no mundo. No Brasil, é a segunda causa de morte por doença, atrás apenas das complicações cardiovasculares. Ambas as datas, portanto, reforçam a urgência de adotar hábitos mais saudáveis e realizar exames médicos periódicos.

Apesar de todos os avanços no diagnóstico e no tratamento da doença, a verdade é que pouco ainda se sabe sobre as razões para o seu surgimento. Não há uma causa única, mas diferentes fatores associados: externos e internos, como taxas hormonais, mutações genéticas e queda imunológica.

Entre os fatores externos que podem originar modificar a estrutura do DNA e desencadear a doença predominam má alimentação, com excesso de produtos processados industrialmente e açúcar; sedentarismo; excesso de peso; abuso na ingestão de bebidas alcóolicas e tabagismo.

Por sua vez, as causas internas estão justamente ligadas à capacidade do organismo de se defender das já citadas agressões externas. De acordo com especialistas, apesar de a hereditariedade exercer peso na formação de tumores, isoladamente não representa o maior risco para o surgimento da doença.

Informação: a principal aliada de empresas e colaboradores

Prevenir o câncer, por meio de exames preventivos, como a mamografia, é de suma importância para garantir a saúde dos colaboradores.  O câncer de mama, por exemplo, é a doença de maior incidência entre as mulheres no Brasil e no mundo. Prevenir ou descobrir o câncer em estágio inicial evita absenteísmo, não sobrecarrega as equipes e cria uma sensação de segurança entre os funcionários.

Com seus clientes, a RHMED|RHVIDA recomenda que haja um eficaz sistema de comunicação interna para fazer circular informações relevantes e confiáveis sobre a doença. Comunicação, aliada à confiança, é uma ferramenta essencial para qualquer empresa. Palestras com especialistas, presenciais ou remotas, e materiais impressos também reforçam positivamente as campanhas corporativas. O importante é que o colaborador se sinta sempre acolhido em suas dúvidas e receios.

As ações internas contribuem bastante para a disseminação de ideias e práticas, de modo a fixá-las na rotina dos colaboradores. A forma como isso será feito varia de empresa para empresa, mas alguns procedimentos são comuns, como a distribuição de camisetas e materiais com o símbolo das campanhas, como é bem comum, por exemplo, durante o Outubro Rosa.

O que é possível fazer para evitar o câncer?

– Uma das premissas mais importantes é não fumar. O fumo é responsável por uma série de tipos de câncer, principalmente os de pulmão, boca, laringe, esôfago e estômago. Cada cigarro libera mais de 4.700 substâncias tóxicas ao organismo. As empresas podem promover campanhas antitabagismo e engajar seus funcionários nelas.

– A ingestão de alimentos de origem vegetal – frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas – pode prevenir o câncer. A alimentação precisa ser rica em nutrientes e bastante variada, sem excesso de gordura, açúcar, sal, conservantes ou produtos ultraprocessados.

– Manter o peso corporal adequado é importante para evitar uma série de tipos de câncer.

– A atividade física também contribui para prevenir a doença, além de ajudar a controlar o peso. Incentivar entre os colaboradores caminhadas ou o uso de bicicletas faz muita diferença na saúde, na disposição e no rendimento do dia a dia na própria empresa.

– Entre as mulheres, incentivar a amamentação entre as funcionárias também ajuda a evitar  os tumores de mama.

– Mulheres com mais de 40 anos devem realizar anualmente a mamografia. Já às que têm entre 25 e 64 anos, o Ministério da Saúde recomenda que o teste papanicolau (exame do colo do útero) seja feito por dois anos seguidos e, se o resultado não apresentar qualquer alteração, as próximas coletas deverão ser feitas a cada três anos. Em pacientes que já tiveram HPV ou outros causados pelo vírus, a periodicidade é anual.

– Vacinação contra a hepatite B é importante. O câncer de fígado está relacionado à infecção pelo vírus causador da doença. O Ministério da Saúde disponibiliza nos postos de saúde do país a imunização para pessoas de todas as idades.

– Não ingerir bebidas alcoólicas em excesso.

– Principalmente no verão, evitar exposição ao sol entre 10h e 16h e usar sempre proteção adequada, como chapéu e protetor solar, inclusive nos lábios, orelhas e pescoço.

– Segurança no trabalho é fundamental. Para indústrias que trabalham com agentes químicos, físicos e biológicos é fundamental ter todo o equipamento necessário para impedir a exposição do trabalhador a agentes nocivos à saúde. Para que isso ocorra de forma integral, é necessário o comprometimento de todos os envolvidos nos diversos processos de trabalho. É fundamental também o monitoramento permanente da atividade para evitar quaisquer danos à saúde dos colaboradores e à imagem da empresa.

Como promover a autoestima nas empresas?

A gestão de capital humano tem sido um dos principais desafios das empresas. As habilidades técnicas e comportamentais, por si só, não têm se mostrado suficientes para abranger todas as necessidades de lideranças e equipes no cumprimento das tarefas do dia a dia corporativo. Existem outras questões igualmente importantes com peso significativo: a autoimagem, a autoestima e a motivação.

Mesmo que um profissional esteja totalmente capacitado a exercer suas funções, é fundamental que se sinta pleno e feliz no ambiente de trabalho. Ele precisa ser estimulado a aprender e evoluir constantemente dentro da organização e ciente também de seu papel no mercado e na sociedade. A satisfação pessoal, em muitos casos, pesa tanto quanto o próprio currículo.

Grande parte dos problemas relacionados à autoestima e à autoimagem não está necessariamente ligada à rotina das empresas. Mas é importante destacar a responsabilidade da corporação de criar mecanismos administrativos que promovam a confiança entre colaboradores e que os incentivem a buscar crescimento profissional permanente.

Aos líderes, cabe buscar a potencialização das capacidades, além de dar feedbacks assertivos sobre o desempenho das equipes. Em contrapartida, é recomendável também que estimulem seus funcionários a criticar e sugerir mudanças na empresa ou nos métodos e rotinas internos.

Produtividade depende da motivação dos colaboradores

Quanto mais integrado e relevante o colaborador se sentir, mais proativo e produtivo se tornará. E trabalhadores motivados têm potencial para transformar toda a equipe e transmitir, até externamente, uma imagem positiva e dinâmica da organização.

A autoestima, assim como a autoimagem, é um conceito subjetivo e individual. Compreende a relação do colaborador consigo mesmo, com seus anseios, temores e percepção de realidade. Consiste na relação de valor que a pessoa tem de si mesma, a forma com que se enxerga e como crê que os demais a vejam. Tanto em relação às suas qualidades quanto às suas deficiências.

Para manter a autoconfiança em ordem, o profissional deve se sentir relevante e prestigiado em seu ambiente de trabalho. Precisa conhecer bem suas funções, saber exatamente o que a empresa e seus colegas de trabalho esperam dele e ter noção de inovação é a palavra-chave. Segurança não pode ser sinônimo de comodismo e estagnação.

Mas qual o papel da sua empresa nesse processo motivacional?

Com mais de um milhão de vidas sob gestão, a RHMED|RHVIDA orienta seus clientes a usarem de franqueza na hora de dar feedback sobre o trabalho de seus colaboradores. Trabalhar a autoconfiança do funcionário não significa somente despejar elogios, mas sim indicar os pontos frágeis de seu desempenho e buscar soluções conjuntas para seu aprimoramento. O simples fato de se sentir observado e avaliado, de forma sistemática e objetiva, faz com que busque melhorar a performance.

Pensar de forma positiva, manter relacionamentos interpessoais sadios, aprender com os próprios erros (e os dos outros), fazer uso racional do tempo, cuidar do ambiente de trabalho e ser responsável e colaborativo em suas tarefas são alguns dos pontos essenciais.

Dicas para estimular a autoestima:

– Não dê chance ao pessimismo nem ao baixo-astral entre as equipes. Os desafios são oportunidades de aprendizado.

– A troca de ideias entre os colaboradores e mesmo entre as equipes traz sempre bons frutos.

– As comparações entre funcionários devem ser evitadas. Cada um tem suas competências e habilidades.

– É importante que os critérios de promoção estejam claros para todos a fim de evitar frustração e ressentimentos. É importante que todos sintam que, independentemente da função, têm papel estratégico na empresa.

– Cursos, palestras, workshops e outros mecanismos de estímulo à capacitação são sempre producentes.

– O resultado do trabalho pode ser criticado, não o funcionário. Ao perceber que pode fazer mais e melhor, o colaborador tende a pensar melhor sobre seus erros e aprender como evita-los futuramente.

– Desmotivados, colaboradores tendem a procrastinar tarefas. Aos gestores, cabe entender o motivo do desânimo das equipes e evitar que o problema se instale e afete a produção da empresa.

– Um colaborador saudável – física e mentalmente – está menos suscetível a problemas de autoestima. Incentivar hábitos salutares, como boa alimentação; prática de exercícios físicos; agenda de exames médicos periódicos e de vacinação em dia; atividades voluntárias; e atividades sociais com família e amigos, entre outros, é imprescindível.

Férias, a hora de recarregar as energias

É comum ouvirmos que o período de férias é bom para os colaboradores e ruim para as empresas, que se veem, mesmo que momentaneamente, privadas de seu quadro completo de funcionários. Não há qualquer fundamento em tal crença. A maior parte das corporações já se deu conta de que o capital humano é um patrimônio inestimável e que a saúde e segurança das equipes está sempre em primeiro lugar. Motivados, com seus direitos preservados e plena confiança na organização em que trabalham, os trabalhadores se tornam mais proativos, criativos e produtivos.

Além de ser uma exigência legal, férias são fundamentais para realimentar as baterias do quadro de pessoal e imprimir novo ânimo na volta do colaborador às suas atividades. Todos precisam de uma pausa, de descanso.

Tarefa realizada pelo departamento de Recursos Humanos das empresas, a gestão de férias funciona, quase sempre, como um quebra-cabeça. O planejamento deve ser cuidadoso, atendendo às expectativas do trabalhador, mas também às necessidades da corporação.

Cuidar para que todos os colaboradores aproveitem ao máximo o período de repouso é uma maneira de cuidar da saúde integral das equipes. Descansar, viajar e ter mais tempo com família e círculo de amigos caracterizam etapas preciosas para que o desempenho funcional se mantenha firme. Períodos de ócio ajudam não só na disposição física e mental – afastando o risco de fadiga, estresse e depressão – quanto na criatividade, poder de decisão, segurança e assertividade do colaborador.

RHMED|RHVIDA dá dicas de como gerir as férias de colaboradores

É por meio da gestão de férias que a empresa consolida uma imagem positiva não só junto a seus funcionários, mas também diante de parceiros, concorrência e sociedade em geral. As férias precisam ser tiradas pelo trabalhador a cada 12 meses de trabalho. Com a Reforma Trabalhista, o acordo entre as partes ganhou protagonismo e o diálogo assumiu ainda mais importância no funcionamento das organizações. Buscar o período mais oportuno será benéfico a todos.

Saiba, então, o que é importante observar:

– Análise do histórico de férias dos funcionários. É importante que se chegue a um consenso quanto à data para atender às necessidades do trabalhador, mas também não sobrecarregar os demais componentes da equipe.

– O ideal é que a política de férias das empresas seja transparente e acessível ao conhecimento de todos. Deve haver compreensão total do porquê das regras. Newsletters, avisos em quadros, e-mails, palestras… Todos os meios podem ser usados para fazer circular a informação quanto às férias e fazer chegar aos gestores críticas e sugestões.

– De acordo com a Reforma Trabalhista, é possível dividir o período das férias em três, sendo necessário que todos tenham duração de, no mínimo, cinco dias corridos. Outra condição é que um deles seja superior a 14 dias corridos.

– O uso de plataformas que unifiquem o banco de dados e cruzem as informações sobre cada colaborador é um dos recursos que a RHMED|RHVIDA usa para reduzir o trabalho dos gestores e evitar erros.

– Cada empresa tem suas especificidades, com maior ou menor movimento em determinadas épocas do ano. Os gestores devem ter consciência dos momentos mais oportunos, que não ponham a empresa em situação de vulnerabilidade no mercado.

– É recomendável que haja um esquema de treinamento para que as equipes não se ressintam da ausência dos funcionários que estão de férias. Faz-se necessário que o próprio colaborador, antes de se ausentar, dê sugestões de como suas funções devem ser realizados por outras pessoas.

Terapia ocupacional e segurança do trabalho

 Tarefas simples como pentear os cabelos, tomar banho, fazer pequenas caminhadas ou levar comida à boca podem se tornar práticas difíceis para aqueles que passaram por doenças neurológicas ou ainda sofreram algum tipo de trauma ou acidente. No dia 19 de janeiro, se comemora o Dia Mundial do Terapeuta Ocupacional, o dia chama a atenção para a figura do profissional que ensina as pessoas a retomarem atividades básicas e corriqueiras é extremamente importante. A data foi escolhida para recordar a regulamentação do Decreto Lei 938 de 1969, que determinou um código de ética supervisionado pelo Conselho Federal de fisioterapia e terapia ocupacional.

Indicada por médicos, principalmente ortopedistas e neurologistas, a terapia ocupacional busca a recuperação gradual de pacientes vítimas de acidentes de automóveis, quedas, lesões por exercícios repetitivos, AVCs, artrite reumatoide, esclerose múltipla, Parkinson e Alzheimer, entre outros problemas incapacitantes.

Além de reforçar a importância do trabalho dos terapeutas ocupacionais no tratamento de pacientes, a RHMED|RHVIDA ressalta entre seus clientes que os profissionais da área são peças-chave nas empresas para evitar o surgimento de lesões ou qualquer tipo de dano à saúde física e mesmo mental. Ao planejar uma programação contendo atividades físicas ou mesmo lúdicas, o terapeuta ocupacional – profissional de nível superior – cuida de pessoas que apresentam disfunções relacionadas a alimentação, trabalho, higiene etc.

Atividades específicas no ambiente corporativo

O Brasil reúne 222 mil profissionais e 300 mil acadêmicos em terapia ocupacional. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que haja, no mínimo, um fisioterapeuta para cada 1.500 habitantes. Como se pode perceber, os números no nosso país estão bem abaixo dessa meta, já que a grande maioria dos profissionais se concentra nas metrópoles. Entre as especialidades mais requisitadas estão oncologia, fisioterapia dermatofuncional, esportiva, reabilitação cardiovascular e saúde da família e do trabalhador.

A terapia no ambiente de trabalho deve ser desenvolvida de acordo com os resultados esperados por gestores, aliando um bom nível de rendimento do funcionário com um baixo nível de estresse e cansaço ao término da jornada de trabalho. Dentro do universo corporativo, as atividades ocupacionais devem estar relacionadas à natureza das funções dos colaboradores, ao espaço físico disponível, à duração da jornada e às abordagens apropriadas às condições físicas e mentais dos funcionários, como alongamentos, massagens, exercícios rápidos etc.

Terapia ocupacional e segurança do trabalho

Cada vez mais engajados em buscar a segurança do trabalhador, os terapeutas realizam treinamentos para reintegrar pessoas que sofreram algum acidente no trabalho ou passaram por situação de risco. Além disso, esses profissionais têm envolvimento cada vez maior com impacto social e ambiental que acaba contribuindo para determinadas privações no trabalho.

Além disso, atualmente, os terapeutas ocupacionais têm desenvolvido estudos que buscam atender a pessoas que possuem dificuldade ou deficiência que as impeça de realizar suas funções da melhor maneira possível, no caso da inclusão profissional, e que contribuam permanentemente para evitar possíveis acidentes no futuro.

Janeiro Branco: cuidar da mente é cuidar da vida

Novo ano significa também novos planos, desafios e cobranças. Tanto na vida pessoal quanto na profissional, não é fácil lidar com nossas limitações e superar frustrações em relação ao que não conseguimos realizar ao longo dos últimos 12 meses. Pensando nisso e na busca de equilíbrio emocional e psíquico, foi criada em 2014 a campanha Janeiro Branco. O objetivo tem sido sensibilizar a sociedade e promover projetos estratégicos, políticas públicas e iniciativas socioculturais que atendam às demandas individuais e coletivas ligadas à saúde mental de cada indivíduo.

Os motivos podem ser diversos, mas os resultados são igualmente nocivos: depressão, ansiedade, inseguranças, confusão mental… Sejam problemas familiares, de relacionamento, financeiros ou profissionais, o importante é compreender que tais fatores limitam nossa capacidade cognitiva e de reação e, em última instância, prejudicam o desempenho social e profissional.

Os números em relação à saúde mental são alarmantes. Os problemas, incluindo o uso de substâncias psicoativas, respondem por mais de um terço dos índices de incapacidade. Estima-se que 30 a cada 100 pessoas sofram, ou venham a sofrer, de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Fazer do mês de janeiro um marco no conhecimento, no planejamento e na execução de ações em benefício da saúde mental é positivo não só para o conjunto de colaboradores, que se sentem amparados e prestigiados pela empresa, mas também para as famílias e sociedade como um todo. A intenção é chamar a atenção da comunidade para os aspectos mentais e emocionais das pessoas que nos rodeiam. Um indivíduo não saudável pode afetar toda uma equipe.

RHMED|RHVIDA: o que as empresas podem fazer?

Inserir as mídias, as ferramentas de comunicação internas e as instituições sociais em alerta no combate aos males mentais e emocionais dos indivíduos tem resultado em impactos sociais positivos.

A proposta é que as organizações contribuam para a construção de modelos e ações permanentes e na tarefa de propagar mensagens positivas e assertivas. O envolvimento de todos os colaboradores faz grande diferença, pois cada um tem sua história, suas próprias questões e também sugestões para evitar os problemas.

Com evitar os problemas mentais?

– Buscar o equilíbrio. Enfrentar os desafios não significa deixar de pedir ajuda quando necessário. Conhecer os limites e descentralização tarefas pode ser bem positivo.

– Estar bem consigo mesmo e nas relações com os outros.

– Ter um propósito que o leve a superar desafios e sentir satisfação em suas funções.

– Lidar bem com as emoções, inclusive as desagradáveis. Aceitar que nem tudo pode dar certo o tempo todo e saber que o importante é reconhecer os erros, aprender com eles e seguir em frente.

Alguns sinais de alerta:

– Cansaço mental.

– Dificuldade de concentração.

– Distração e perda de memória.

– Apatia ou indiferença emocional.

– Problemas de pele.

– Queda de cabelo.

– Gastrite ou úlcera.

– Perda repentina ou ganho rápido de peso.

– Desânimo, apatia ou questionamento frente à vida.

– Ansiedade.

– Crises de pânico.

– Pressão alta.

Está na hora de se programar para 2020

As resoluções de Ano Novo são tão tradicionais quanto a ceia, as superstições e os fogos de artifício. Tradicionais e indispensáveis. Seja qual for o setor de atividade, não dá para ir em frente sem um planejamento que trace o passo a passo a ser cumprido ao longo dos 365 dias de 2020. O começo de um ciclo é a oportunidade de fixar metas e prioridades da forma mais enxuta possível. Foco em objetivos claros é um poderoso exercício para levar um projeto adiante.

Para começar esta etapa com o pé direito e, claro, com muita organização e determinação, a RHMED|RHVIDA tem uma série de sugestões para construir um novo ano seguro e saudável para corporações e colaboradores. Pode servir de ponto de partida e inspiração.

Prevenção, sempre o maior desafio

– Começar o ano com otimismo não significa abrir mão da prevenção. Prevenir é cuidar. Esse, portanto, deve ser o norte de qualquer organização em qualquer atividade durante todo o ano. Aproveite o início de 2020 para revisar processos, verificar equipamentos, atualizar conhecimento e buscar tecnologias inovadoras.

– Reforce conceitos de segurança, saúde e sustentabilidade. O fato de programas e condutas estarem dando certo não significa que podem ser negligenciados.

– Os balanços de fim de ano funcionam de base para os planos futuros. As empresas não devem ser apegar ao passado, mas, ao detectar e analisar experiências, reduzem sensivelmente a possibilidade de repeti-los.  A partir do aprendizado, tudo fica mais fácil e administrável.

– É essencial realizar reuniões com os colaboradores para conhecer os seus anseios e sugestões, muito úteis ao desenvolvimento de métodos e práticas do dia a dia. As reuniões precisam ser periódicas, pois dessa troca de informações frequente dependem os ajustes e de procedimentos e projetos nos meses seguintes.

– Estipular metas e prioridades não pode interferir na percepção de novas oportunidades. É importante pesquisar e estar aberto a experiências e sugestões.

– Incentive a organização e limpeza no escritório. As condições de trabalho fazem toda a diferença no ambiente corporativo.

– Evite acúmulo de funções dos colaboradores. Cada um deve trabalhar de acordo com suas habilidades e possibilidades. A observação diária da rotina de uma empresa é fundamental.

– Saiba delegar funções e dar feedback do desempenho.

– A organização não deve permitir que a ansiedade, típica desta época do ano, contamine a equipe. Os prazos devem ser pensados em conjunto e a responsabilidade dividida por todos. Um bom trabalho em equipe faz toda a diferença nos resultados.

– Festejar sucessos e boas notícias é necessário. Levanta a autoestima da equipe e mostra o quanto os colaboradores são importantes para a organização.

– Faça um cronograma de cursos de capacitação, workshops, palestras, enfim, tudo que possa colaborar para o crescimento profissional dos funcionários.

– Invista em seus grupos multidisciplinares. Quanto maior a diversidade, mais troca de experiências e maior probabilidade de sucesso.

– Faça como eu digo e como eu faço: antes de cobrar de um colaborador, é importante saber que exemplo a organização está dando. É bom lembrar que conceitos socialmente relevantes, como diversidade, práticas sustentáveis e responsabilidade social, começam internamente nas empresas para servir depois de referência ao público externo. E são justamente os funcionários que transmitem a imagem corporativa.

A RHMED|RHVIDA deseja a todos um ótimo 2020!

Hora de festejar e agradecer

Chegamos ao fim de 2019. Para nós e para grande parte das empresas, o ano vai ser lembrado pelo acúmulo de experiências, a execução de planos e o trabalho árduo. Fácil não foi, é verdade. Mas a determinação de fazer mais e melhor serviu de combustível no enfrentamento e superação de todos os desafios. Para a RHMED|RHVIDA, o ano trouxe êxitos, sendo dois deles o desenvolvimento e o fortalecimento deste canal de comunicação com vocês e que só temos a agradecer.

A interação nos ajudou – e, esperamos, tenha auxiliado também nossos leitores – a entender melhor métodos e processos no empenho ainda maior para reafirmar a excelência de serviços. Poder colaborar com ideias e sugestões nos motiva na missão de cuidar das pessoas e das organizações.

Em 2019, cumprimos o que nos propomos a fazer: compartilhar nossa expertise e falar sobre segurança e saúde no ambiente de trabalho. E, na verdade, fomos bem além. Discutimos qualidade de vida, responsabilidade social e a importância de relações humanas na consolidação de qualquer pretensão de crescimento profissional e corporativo.

Aqui neste espaço de diálogo tivemos a oportunidade de apresentar assuntos relevantes às empresas e caras também à sociedade: NRs, campanhas de vacinação, prevenção de doenças, bullying, inclusão, sustentabilidade, engajamento e estresse, entre outros tantos temas.

Para nós da RHMED|RHVIDA, a intenção sempre foi levar bem-estar às empresas e a seus colaboradores, já que uma coisa não existiria sem a outra.

Gestão de pessoas: desafio permanente para RHMED|RHVIDA

O término de mais um ciclo nos enche de confiança em novos tempos. Muito foi realizado, mas ainda há outro tanto a ser feito. Gerir pessoas é tarefa contínua, incansável. Os mecanismos podem estar azeitados, em pleno funcionamento, mas, na verdade, nunca são concluídos.

Trabalhar com gente exige atenção permanente e especial. Cuidados que não podem ficar restritos meramente ao cumprimento das leis. Junto com nossos clientes, buscamos soluções que sejam viáveis e aplicáveis ao dia a dia, que resultem em consciência e engajamento de cada um dos funcionários. Todos se tornam peças-chave na manutenção da saúde e da segurança uns dos outros.

Ao partir dessa premissa, é possível assegurar um ambiente de trabalho agradável e uma empresa segura, produtiva e bem-sucedida. E é sabido que colaboradores satisfeitos viram o melhor cartão de visitas de qualquer corporação. Não reforçam a imagem da empresa só internamente, mas também para o público externo: parceiros, consumidores e concorrência. Assim como você, queremos multiplicar e disseminar boas práticas.

Vivemos um momento de renovar esperanças. O ano de 2019 foi um ano desafiador, com decisões importantes a serem tomadas, como migrar contratos para a plataforma SOC na RHVIDA, investimento na modernização do gerenciador, agora rebatizado de e-Vidamed. Também usamos o ano de 2019 para desenvolver uma frente mais robusta de inovação e dar um foco relevante aos contratos de operação de ambulatórios de clientes com o conceito de APS (Atenção Primária a Saúde). Sementes foram plantadas!

E 2020?

Às vésperas do novo ano, sua empresa possivelmente já finalizou o balanço de 2019. Acertos e erros fazem parte da aprendizagem e merecem que a organização e os seus colaboradores se debrucem sobre formas de aprimorar o que deu certo e não repetir os equívocos. Nossa experiência nos diz que as equipes precisam participar desse cômputo, fazendo críticas e oferecendo sugestões. Procure envolver todos os funcionários na análise e ouça com atenção o que eles têm a dizer. Os ganhos serão conjuntos!

Para o próximo ano, o ponto crucial, como observamos em textos anteriores, é o planejamento. Partir dos resultados de 2019 para formular as metas de 2020 já é meio caminho andado.

As empresas também precisam inovar, tanto nas relações pessoais quanto em tecnologia e capacitação de pessoal. A avaliação constante dos processos permite fazer ajustes e melhorias quase em tempo real. Cada colaborador deve ser percebido como indivíduo, com suas habilidades, ambições e necessidades específicas. O conjunto das individualidades é o que vai formar a identidade da empresa.

Esperamos que 2020 seja um ano melhor! E acreditamos nisso por algumas razões: nosso país finalmente dá sinais mais claros de que a crise está passando; aproveitamos para arrumar a casa e estamos implementando um jeito novo de trabalhar, com foco em gestão de indicadores e qualidade; vamos avançar com nossa frente de tecnologia para automatizar processos e tornar nossa empresa mais ágil e assertiva.

A todos vocês que nos acompanharam durante este ano, os nossos votos de saúde, boas-novas e conquistas. Que possamos seguir compartilhando informações, avançando conjuntamente na missão de fazer a diferença dentro e fora das empresas.

Enfim, as palavras de ordem para 2020 são: qualidade; inovação; planejamento e gestão; e crescimento.

Obrigado pela companhia e boas festas a todos!