Posts

Busca pelo bem-estar no trabalho

Evitar acidentes é desafio para sustentabilidade do negócio

Diz a sabedoria popular que é sempre melhor prevenir do que remediar. Sem dúvida, antecipar-se aos acontecimentos negativos é a forma mais eficaz de evitá-los e uma grande prova de bom senso. A redução de sinistralidades está diretamente ligada ao investimento em prevenção de acidentes, segurança e saúde da organização. Apesar da unanimidade em torno do tema. Nem todas as corporações são capazes de transformar teoria em prática, tornando o ambiente de trabalho um lugar seguro e benéfico para todos.

Dados mais recentes da Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelam que em todo o mundo, a letalidade anual de acidentes de trabalho é de 2,3 milhões de pessoas. Das quais mais de 2,02 milhões causados diretamente pelas atividades desenvolvidas sem proteção adequada ou de forma indevida. Além de doenças relacionadas às funções dos trabalhadores. As estatísticas globais dão conta de que, a cada cinco minutos, 20 trabalhadores morrem exercendo suas atividades. E o número de feridos chega a alarmantes 300 milhões todos os anos.

O Brasil ocupa hoje o quarto lugar mundial no ranking de acidentes e doenças do trabalho. Segundo dados da OIT, 1,3 milhão de casos com brasileiros têm como principais causas o descumprimento de normas básicas de proteção aos trabalhadores e más condições nos ambientes e processos de trabalho. O país fica atrás apenas de China (14.924), Estados Unidos (5.764) e Rússia (3.090) em número de mortes anuais: por aqui, a média é de 2.503 óbitos.

Segurança Exige Transparência

“É preciso tratar o tema segurança de maneira estratégica e promover um aumento no nível de consciência de todos quanto à importância de colocar a vida das pessoas sempre em primeiro lugar. Prevenir acidentes é fazer com que nada de ruim atinja quem quer que seja por nossa causa. Empresas que não investem com seriedade nisso podem pagar um altíssimo preço, humano e financeiro. Por isso, não contar com o acaso é, sim, uma medida concreta de segurança”, ressalta Antonio Martin, CEO da RHMED|RHVIDA, empresa que atua nos ramos de inteligência em saúde e em segurança do trabalho.

Martin acrescenta que não há atalhos ou improvisos para as empresas que querem alcançar bons resultados nessa área. “Segurança exige transparência, coragem, disciplina, seriedade e empenho. E isso envolve desde os executivos de alto escalão e o conselho de administração até clientes, investidores e fornecedores. Enfim, todos os stakeholders de uma empresa”.

Credibilidade, confiança e responsabilidade social

Financeiramente. A estimativa é de que os acidentes de trabalho correspondam a 4% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial em termos de dias perdidos. Gastos com saúde, pensões, reabilitação e reintegração. Especialistas no assunto em todo o mundo ressaltam que os cálculos sobre mortos e feridos não chegam perto de representar fielmente a magnitude do problema. Nem o impacto real na vida das famílias dos trabalhadores e nas economias dos países. Profissionais da área de SST (Saúde e Segurança do Trabalho) mundo afora acreditam que obter dados confiáveis facilita a determinação de prioridades e serve de base para calcular o progresso no setor.

E a redução do número de acidentes de trabalho está estritamente ligada a políticas de prevenção. Abrangendo, também as condições de trabalho além do ambiente corporativo. “Assim como não podemos descuidar do que acontece intramuros na empresa. Não devemos negligenciar a segurança dos que nos cercam no bairro, na cidade e na sociedade. Sobreviver no mercado é aprender a construir ambientes livres de acidentes, saudáveis e produtivos interna e externamente; é gerar credibilidade nas intenções e ações. Credibilidade e confiança são construídas com base na responsabilidade social”, avalia o CEO.

A Importância da Prevenção

A segurança ocupacional tem entre suas preocupações não só implantar medidas efetivas que evitem acidentes. Mas também práticas e precauções capazes de prevenir doenças ligadas à rotina laboral. A visão predominante nos dias de hoje nas principais organizações é que uma empresa só é saudável se seus colaboradores também o forem. Para isso, é preciso não fugir às responsabilidades. Não faltam exemplos para comprovar a importância da prevenção de acidentes e evidenciar o prejuízo que postergar decisões representa para um grupo empresarial, independentemente de tamanho, atividade, histórico ou posição na bolsa. “Fechar os olhos para o investimento em saúde e segurança de colaboradores e do negócio já desestruturou corporações poderosas, que poderiam, por meio de medidas preventivas, ter escrito outra história para si e para os outros. Cabe a cada empresa decidir que tipo de história quer protagonizar”, finaliza Martin.

Benefícios da Amamentação

Para chamar a atenção sobre a importância e os benefícios da amamentação para o bem-estar do bebê e da mãe. O Agosto Dourado, instituído recentemente pelo Congresso Nacional Brasileiro, amplia e reforça a ideia da Semana Mundial do Aleitamento Materno, criada há mais de duas décadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).  Promovida em 170 países. A iniciativa vai de encontro a uma das principais preocupações e necessidades das mulheres no retorno ao mercado depois do período de licença-maternidade.

A questão prioritária para as colaboradoras é: como voltar ao trabalho sem prejudicar a rotina de aleitamento?

Com medidas simples, as empresas podem apoiar as funcionárias no processo. Nesse período tão delicado e especial para a mulher, a transmissão de informações relevantes e seguras faz muita diferença. É importante que as trabalhadoras se sintam cuidadas, suportadas em seu ambiente de trabalho. E que saibam como cuidar bem de si próprias e dos seus filhos.

Deixá-las fazer pausas durante o horário de trabalho para se hidratarem regularmente. Recomendar hábitos alimentares saudáveis são detalhes que ajudam bastante. Assim como criar cartilhas ou oferecer palestras sobre o tema. Reforçando sempre a necessidade de medidas de higiene, cuidados com a saúde e imunização contra doenças permitidas durante o período de amamentação. Em comum acordo, sempre que imprescindível, flexibilizar horários e rotinas de trabalho.

Mesmo não havendo obrigatoriedade legal para a instalação de salas para coleta e armazenamento de leite materno. Algumas empresas contam com infraestrutura completa com privacidade, ambiente confortável, lavabo e refrigeradores. Providências que melhoram, em muito, o clima e a dinâmica em uma corporação.

 

Amamentação traz benefícios também à empresa

Os benefícios do leite materno para o bebê são incontestáveis. O aleitamento protege contra doenças crônicas e previne infecções, alergias, cânceres infantis e, no caso das mães, também os de mama. Além do alto valor nutritivo para manter a saúde do bebê, há a satisfação e o bem-estar da mãe. A OMS recomenda que nos primeiros seis meses o único alimento do bebê seja o leite materno.

Prevenindo doenças, a amamentação colabora também para que a funcionária se ausente menos do ambiente do trabalho. Portanto assim, exerça suas funções com maior concentração e tranquilidade.

 

RHMED|RHVIDA lança programa de apoio aos ODS da ONU

Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar a todos, em todas as idades. Sonho comum a todas as nações, essa é uma das metas transformadoras previstas pela ONU para tornar o mundo mais sustentável até 2030.

Envolvida na causa, a RHMED|RHVIDA lança um programa de apoio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS), fazendo o que sabe de melhor: ajudar as empresas a cuidar da saúde de seus colaboradores e, neste caso específico, de suas colaboradoras.

O projeto, que teve início durante a Semana Mundial de Amamentação, promoverá ações com foco prioritário na prevenção e no combate ao diabetes gestacional, doença que afeta a saúde de mães e bebês em todo o mundo.  A doença consiste no aumento dos níveis de glicose no sangue durante a gravidez, devido ao esforço do pâncreas materno na produção da insulina, acarretando complicações à saúde da mulher e do bebê. Entre as consequências mais frequentes estão hipertensão e prejuízos ao funcionamento dos rins.

 

 

Sarampo é assunto sério

A vacinação contra o sarampo deve ser encarada como responsabilidade social. Quem se imuniza está protegendo não só a si mesmo como a seus familiares e ao conjunto da sociedade. Cientes da importância de promover a saúde individual e coletiva. As empresas têm exercido papel estratégico na disseminação de informações relevantes a seus colaboradores e em campanhas internas de prevenção.

A rapidez com que aumenta o número de casos de sarampo no Brasil chama a atenção. Dados do Ministério da Saúde dão conta de que, somente entre os dias 5 de maio e 3 de agosto deste ano, foram confirmados 907 casos. A maior parte em São Paulo. Mas, também com registros em outros estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

É oportuno destacar que, desde 2016, autoridades consideravam a doença erradicada do território nacional. E, na opinião de especialistas, o fator determinante para o seu ressurgimento reside, justamente, na queda nos índices de imunização. O vírus do sarampo já circula novamente no Brasil desde 2018, quando foram registrados 10.326 casos. Em algumas partes do planeta, o sarampo ainda é uma das maiores causas de mortalidade entre crianças menores de 5 anos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença é a responsável por 100 mil óbitos a cada ano em todo o mundo.

RHMED|RHVIDA: Mobilização dos colaboradores é essencial

A RHMED|RHVIDA orienta as empresas a incentivar que seus funcionários mantenham em dia a sua carteira de vacinação. E claro, a de seus familiares. É sabido que a maior parte das doenças infecciosas é transmitida pelo contato com objetos ou mesmo pelo ar – espirros, tosse ou fala. Assim, em ambientes corporativos, fechados e com muita gente, se um indivíduo é infectado, pode contaminar rapidamente a outros que também não foram imunizados. Segundo o Ministério da Saúde, uma pessoa doente pode espalhar o vírus para, pelo menos, dez outras.

Procuramos aconselhar a nossos clientes que adotem campanhas internas de conscientização de colaboradores quanto ao valor da vacinação para o bem-estar da sociedade. Medidas simples, como avisos internos, palestras, circulação de informações sobre a doença e as formas de preveni-la, têm sempre resultados efetivos. Com a abordagem correta, é possível também engajar os colaboradores e fazer com que transmitam as recomendações a outras pessoas, dentro e mesmo fora do ambiente laboral.

Trabalhadores que adoecem e/ou que têm familiares contaminados são obrigados a se ausentar de suas funções e sobrecarregam os outros funcionários. Sem contar o clima de apreensão e insegurança entre as equipes, fator sabidamente prejudicial à produtividade. Além de informação, as organizações podem colaborar levando a vacinação às próprias empresas ou, se necessário, flexibilizando horários para que seus funcionários consigam se imunizar em unidades de saúde. São medidas simples que, pode acreditar, valem a pena e beneficiam a todos.

Saiba mais sobre o sarampo

Causado por vírus, o sarampo é altamente contagioso e pode até matar. É transmitido da mesma forma que a gripe, de pessoa a pessoa, independentemente da idade, por meio de contato direto ou pelo ar (partículas suspensas de saliva).

Em média, os sintomas do sarampo surgem depois de 10 a 14 dias da exposição ao vírus. Os mais comuns são tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas.

COMO AGIR EM CASO DE SUSPEITA?

O paciente deve se dirigir prontamente a um serviço de saúde. Confirmado o diagnóstico, a unidade fará notificação à vigilância epidemiológica para que essa providencie a vacinação das pessoas com que ele teve contato.

DIAGNÓSTICO – A confirmação do diagnóstico é feita por sorologia (exame de sangue).

TRATAMENTO – Não há tratamento específico para a doença, apenas para os seus sintomas. Por isso, é tão importante investir na prevenção. O paciente infectado, depois de passar por avaliação médica, deve ficar isolado, em repouso, se alimentar e hidratar corretamente.

ONDE SE VACINAR? – Gratuitamente, em postos de saúde.

QUEM DEVE TOMAR A VACINA (Fonte: Ministério da Saúde):

  • Pessoas de 1 a 29 anos de idade (duas doses).
  • Adultos entre 30 e 49 anos de idade, ainda não imunizados, deve receber, pelo menos, uma dose da tríplice viral (SCR), que também protege contra caxumba e rubéola.
  • No caso de São Paulo, há recomendações específicas. Confira aqui.

META NACIONAL – O país espera atingir o índice de 95% de imunização.

CONTRAINDICAÇÕES: – Pessoas que estão com imunossupressão, por quaisquer razões, não devem se vacinar.

Nesses casos, recomenda-se consultar um médico para receber orientações individualizadas.
Gestantes e bebês com menos de 6 meses não podem tomar a vacina.

Mulheres que tomaram a vacina devem esperar pelo menos um mês antes de tentar
engravidar.

REAÇÕES À VACINA – Ela pode causar febre e dor e inchaço no local da aplicação.

Leia mais sobre imunização aqui.

GPTW – Estamos Cuidando das Pessoas?

Nossa atual situação

Olhando lá atrás na história, dá para dizer que houve um considerável avanço na regulamentação relativa à segurança de trabalho. No entanto, ainda são muitos os desafios a serem vencidos em todo país. O Brasil segue na quarta posição no ranking mundial de acidentes,  como apontam dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e, neste Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, vale fazer uma reflexão: estamos cuidando das pessoas ao nosso redor?

Qual é o primeiro passo?

O passo inicial para mudar essa realidade é entender que, antes de tudo, é preciso garantir um ambiente seguro e saudável para que as pessoas possam trabalhar, se desenvolver e alcançar a realização profissional. Para além das normas obrigatórias de segurança e saúde previstas pela legislação, um número cada vez maior de gestores se conscientiza dessa necessidade e de que é preciso falar constantemente sobre segurança. Mais líderes, hoje, sabem que investir em prevenção de acidentes e de doenças ocupacionais fortalece a corporação. Além de gerar confiança e solidariedade, aumenta a autoestima dos funcionários, reduz os índices de absenteísmo e os gastos com indenizações. Isso, por consequência, aumentaria a produtividade e o grau de satisfação interna. Saber, infelizmente, não significa colocar em prática.

O que diferencia um negócio bem-sucedido é o ato de construir ambientes de trabalho suportados pela segurança e felicidade de seus colaboradores. Quem protege suas equipes consolida uma estrutura saudável e relações igualmente benéficas com a sociedade. De forma oposta, nada é mais prejudicial à imagem e à saúde de uma organização do que episódios trágicos envolvendo os trabalhadores e/ou a comunidade. Não importa o setor da economia ou o porte da empresa: nada justifica pôr em risco a integridade física de uma ou mais pessoas.

Como mudar essa situação?

Outro passo fundamental para criar ambientes seguros é difundir o conhecimento. A RHMED|RHVIDA, líder do setor de medicina ocupacional e segurança do trabalho no Brasil, promove debates e difunde conteúdos com a missão de conscientizar CNPJs e indivíduos sobre o tema. Empoderar por meio da informação e fazer com que esta circule é fundamental! Da mesma forma, é de extrema importância escutar os colaboradores da sua organização. Afinal, o correto diagnóstico de pontos vulneráveis depende da participação ativa de todos os colaboradores.

Cada um deve se sentir responsável pela sua segurança e, também, pela dos demais. Não porque é uma norma, mas sim por ser o melhor para todos. É preciso engajamento, uma vez que segurança no trabalho também depende do fator humano. Por isso, é importante reforçar: você está cuidando dos seus colaboradores?

 

FONTE: Great Place to Work

Segurança no trabalho depende do fator humano

Apesar de a legislação de segurança e saúde no trabalho ser bastante rigorosa no Brasil. Os altos índices de acidentes ainda persistem em boa parte das empresas. A obrigatoriedade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) pelos colaboradores, a criação de comissões internas de prevenção, as brigadas de incêndio e a sinalização adequada são medidas que comprovadamente, reduzem os riscos e produzem uma atmosfera protetiva.

No entanto, a experiência nos mostra que não há apenas uma única causa de acidentes. Mas uma conjunção de fatores desencadeadores de problemas. E um dos mais importantes é o chamado fator humano, no qual as falhas se devem ao comportamento do próprio funcionário.

Você deve estar se perguntando: O que leva um trabalhador a negligenciar normas de segurança, pondo em risco sua própria integridade física e a de seus companheiros de trabalho? Na maioria dos casos, desinformação, excesso de confiança, pressa, cansaço e desatenção.

A raiz do problema pode ser arrancada, desde que haja engajamento de gestores, lideranças e equipes. Todos devem se sentir responsáveis pelo processo e compartilhar erros e acertos.

Reportar acidentes de trabalho é obrigação

Muitos gestores focam em fornecer EPIs, mas deixam de investir na instrução das pessoas. Numa preparação que resulte em comprometimento e comportamento seguro na corporação.

A consciência sobre os riscos e procedimentos para evitá-los precisa, obrigatoriamente, fazer parte da cultura da organização, integrar a rotina de cada um dos colaboradores em tempo integral.

Reduzir os índices de acidentes de trabalho é uma missão urgente das empresas, algo que não pode ser postergado, camuflado ou cujas consequências devam ser subestimadas. Acidentes de trabalho comprometem não somente o bem-estar dos trabalhadores, como a imagem da corporação, internamente e no mercado, e a própria produtividade.

Não raramente, alguns executivos com remuneração variável de acordo com metas e indicadores de segurança subnotificam acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Por vezes, deixam de emitir os Comunicados de Acidente de Trabalho (CAT) também como forma de evitar a elevação da alíquota do Seguro de Acidentes de Trabalho (SAT) a ser pago pela empresa.

Não reportar a ocorrência de acidentes – ou converter acidentes com afastamento em acidentes com trabalho restrito – não é, a longo prazo, uma boa prática de gestão. Pode ser até que resolva o problema naquele momento – mas é impossível esconder graves acidentes ou fatalidades. É importante, portanto, que o executivo faça uma reflexão se aquela situação cabe de fato colocar como trabalho restrito ou se vale caracterizar como acidente com afastamento e aprender todas as lições que o caso tiver para evitar fatalidades no futuro. É uma questão de consciência.

RHMED|RHVIDA ajuda a combater o “jeitinho”

Aos seus clientes, a RHMED|RHVIDA recomenda, primeiramente, agir com responsabilidade e dentro do rigor da lei. Pequenos incidentes não devem ser desprezados. Eles são sintoma de que algo está errado no esquema de segurança. Deixar de lado as evidências pode resultar em acidentes graves e até mortes.

A RHMED|RHVIDA recomenda a realização de treinamentos que evidenciem os riscos a que cada atividade está sujeita. É fundamental também educar os colaboradores sobre a importância do pensamento coletivo, mostrar dados e casos emblemáticos de acidentes provocados por negligência e seu alcance desastroso.

A organização precisa também conversar com os funcionários sobre a importância do uso correto de equipamentos de proteção. Deixar claro que o famoso “jeitinho” pode resultar em eventos trágicos – que, em grande parte, são evitáveis.

Como engajar os colaboradores na segurança da empresa

Cabe às empresas estabelecer expectativas sobre o comportamento dos funcionários; instaurar um processo eficaz de segurança no ambiente de trabalho; padronizar, instruir e monitorar as ações dos colaboradores; e criar forças-tarefa que atuem como multiplicadores de boas práticas. É igualmente aconselhável que gestores deem retorno constante dos resultados para aprimorar processos e mapear onde estão os pontos vulneráveis.

Não deixe de:

– Ouvir a equipe para saber quais as dúvidas e principais críticas.

– Oferecer todos os meios para que o colaborador se sinta seguro, desde a preparação (cursos, palestras, workshops, treinamentos etc.) até os equipamentos e condições adequadas do ambiente de trabalho (máquinas, aspectos ergométricos e EPIs).

– Fazer com que supervisores e líderes imediatos fiquem atentos às condições físicas de seus funcionários. Observar se eles têm habilidades para a função para a qual foram designados e se estão satisfeitos no setor. Desatenção, cansaço, mal-estar: tudo deve ser observado e avaliado.

– Autoestima e o comprometimento fazem parte do processo de segurança. O funcionário deve zelar por seu bem-estar, dos seus companheiros de trabalho e da empresa.

O bem-estar coletivo em primeiro lugar

Características individuais influenciam comportamentos de forma significativa e complexa. Os seus efeitos nas atividades podem ser negativos ou positivos. Cabe à empresa ficar permanentemente atenta ao comportamento de suas equipes e ajustes irregularidades.

Algumas características tendem a ser modificadas ou adaptadas, de acordo com a atividade exercida. Dos trabalhadores se espera que estejam aptos a realizar suas tarefas cotidianas de forma correta e segura. O importante é o espírito coletivo, que cada funcionário independentemente de seu perfil e habilidades, se sinta responsável pela segurança no ambiente de trabalho, como um todo.

Com os colaboradores engajados e atentos, haverá também o surgimento de novas ideias, de novos mecanismos ainda mais eficazes. Um esforço coletivo para fazer com que, cada vez mais, a organização reduza risco e se torne segura.

A importância da sociabilização organizacional

A importância da sociabilização organizacional. O capital humano é fundamental para o desenvolvimento de uma empresa. Não somente por conta da capacitação, habilidade ou dedicação dos profissionais que nela trabalham. Mas pela forma com que se relacionam entre si e com a própria organização. Fazer com que o colaborador se sinta confortável em seu ambiente corporativo, querido por seus colegas e acolhido por seus líderes é a melhor maneira de engajá-lo em suas atividades e seus propósitos.

Não há mistério ou fórmula mágica para fazer o funcionário se sentir parte do conjunto. Apenas é preciso incentivar e organizar a socialização das equipes.

Mas, afinal, do que consiste sociabilizar? Trata-se de um processo pelo qual o indivíduo se torna membro funcional de uma comunidade, assimilando sua cultura, reproduzindo e disseminando seus valores. É criar uma corrente coesa e solidária, na qual o indivíduo se sinta parte de um todo. Responsável não só por suas tarefas, mas pelo conjunto de operações e pela coletividade.

O reconhecimento das características individuais e a melhor maneira de adequá-las às características da organização fazem parte do processo de sociabilização. Os aspectos que permeiam o processo exigem planejamento e monitoramento constante. Para que tanto o funcionário quanto a corporação mantenham foco no bem-estar geral e no aprimoramento das relações internas. E, consequentemente, externas.

Ninguém é uma ilha. As pessoas precisam cuidar de si, do outro e se deixar ser cuidada também. Isso cria uma atmosfera de cuidado genuíno e fortalece as relações para uma cultura de segurança dentro de uma corporação. O ambiente fica mais seguro, inclusive (e especialmente) por causa das pessoas.

RHMED|RHVIDA indica e orienta a promoção de atividades sociais dentro das empresas

Estimulamos que nossos clientes organizem atividades dentro e fora da empresa para desenvolver em seus colaboradores relações mais cordiais e sólidas.  Campeonatos esportivos, comemorações, eventos, cursos, dinâmicas de grupo, concursos, viagens e campanhas sociais são exemplos clássicos que alimentam positivamente o espírito coletivo das equipes.

Para o funcionário, é uma oportunidade de perceber, por outro ângulo, qual o espaço que ocupam na corporação e o olhar do outro sobre ele. Atividades conjuntas resultam, quase sempre, em autoconhecimento e na saudável sensação de pertencimento. Para as lideranças, a socialização permite observar, também sob outra ótica. O perfil de seus colaboradores, suas reações e habilidades nem sempre demonstradas na execução das tarefas diárias. É uma forma de extrair o melhor de cada um espontaneamente.

Campanhas para arrecadar donativos, por exemplo, costumam revelar pessoas com potencial de liderança, comprometimento e espírito coletivo.  Atividades esportivas evidenciam personalidades competitivas. Assim como capacidade de trabalhar em grupo, lidar com adversidade e demonstrar rapidez de pensamento na solução de desafios, entre outras características pessoais.

Quanto mais consciente de suas potencialidades for o colaborador, mais se encaixar em sua equipe e no conjunto da empresa. Quanto mais os funcionários souberem lidar com diferenças e percalços na convivência, mais fácil resolverão questões de trabalho. E por fim, quanto mais a empresa souber sobre o perfil de seus trabalhadores, individualmente e no convívio social, mais saberá sobre suas capacidades e função organizacional.

Comunicação, a chave para bons resultados de equipes

Manter a equipe coesa com atividades regulares melhora a adaptação e o desempenho dos novatos. Além de ajudar a manter o interesse e a participação dos funcionários mais antigos. A troca entre recém-admitidos e veteranos é sempre enriquecedora e produtiva. Sociabilizar também fortalece o relacionamento interpessoal, reduz insegurança e focos de estresse, desenvolve competências, reduz rotatividade, estimula habilidades e faz circular conhecimento.

Grupos que se comunicam com facilidade interagem melhor também no ambiente de trabalho.

Colaboradores motivados ajudam a disseminar a cultura organizacional de maneira mais efetiva. Eles passam a falar sobre o que conhecem e acreditam. Uma empresa que se preocupa com as pessoas que nela trabalham cria uma imagem positiva, saudável e feliz. Internamente e externamente. Ao incentivar a socialização, a corporação faz ajustes frequentes na cultura organizacional, adquire poder de adaptação e usufrui de boa reputação.

Servindo de exemplo para parceiros, fornecedores e distribuidores, a organização multiplica boas práticas e se torna referência em gestão.  Formar uma equipe que trabalhe baseada no respeito, intercomunicação, apoio mútuo e comprometimento com a empresa representa um precioso ativo do qual nenhuma empresa pode se dar ao luxo de prescindir atualmente.

Fake news geram danos de reputação e crises financeiras

Fabricadas por pessoas e por grupos mal-intencionados, as notícias falsas são capazes de enganar e modificar a realidade. E, dentro das corporações, o impacto das fake news não é diferente.

“A modificação do passado é necessária por duas razões, uma das quais secundária e, por assim dizer, preventiva. A razão secundária é que o membro do Partido, tal como o proletário, tolera as condições vigentes em parte porque não dispõe de termos de comparação”. O trecho é da obra 1984, de George Orwell, e refere-se ao dever do Ministério da Verdade, responsável por falsificar registros históricos a fim de atender aos interesses do Grande Irmão, ditador e líder do Partido.

A história, que se passa na Oceania de 35 anos atrás, reflete parte do cenário atual de fake news. Mesmo não estando entre os temas estratégicos das empresas, a maioria (85%) manifesta preocupação com as notícias falsas, embora acredite que eventuais riscos possam ser mitigados ou evitados. O dado é do estudo “Fake News: Desafios das Organizações”, da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE), realizado a fim de compreender a dimensão do problema causado pela disseminação de notícias falsas dentro do ambiente de trabalho. O levantamento foi feito, entre 27 de fevereiro e 4 de abril de 2018, por meio de autopreenchimento em sistema online, com 52 empresas.

Guerra de narrativas

Segundo Hamilton dos Santos, diretor geral da ABERJE, se levarmos ao pé da letra, essas notícias não são novidades. “As fake news acompanham a indústria da comunicação desde os primórdios. A imprensa aprendeu a lidar com as notícias falsas, já que ela sempre contou com seus protocolos jornalísticos”, diz. Para o executivo, as fake news ganharam maior visibilidade, nos últimos tempos, por conta da guerra de narrativas. “A produção de fake news retroalimenta o conflito de opiniões”, afirma.

Tanto as organizações (35%) quanto os setores em que atuam (46%) já foram alvos de notícias falsas. De acordo com a pesquisa, para as empresas, os principais impactos relacionados à publicação e disseminação de fake news são: danos à reputação da marca (91%), à imagem da empresa (77%), à credibilidade da organização (40%), à imagem do setor (28%) e à reputação da liderança (13%); e perdas econômicas e financeiras (40%).

Propagar um informação falsa como verdadeira, para Antonio Martin, chief executive officer (CEO) da empresa de inteligência em saúde e de segurança no trabalho RHMed RHVida, pode fazer com que os colaboradores entrem em quadros de ansiedade e de depressão. “O diálogo claro, amplo e objetivo é fundamental para minimizar os impactos das fake news no ambiente corporativo”, fala.

O poder das mídias digitais

Os principais canais de acesso à informação, segundo o estudo, são jornais e revistas online (74%), jornais impressos (67%), revistas impressas (39%), agências de notícias (39%), mídias sociais (28%), televisão (22%) e blogs e fóruns onlines (2%). Os respondentes da pesquisa acreditam que as mídias digitais são as que mais publicam fake news.

Além disso, o compartilhamento de notícias entre entes pelas redes sociais é visto por 47% da incidência de fake news. “A produção de informação fugiu do controle por conta das redes sociais. Assim, o consumidor passou a ser um produtor de conteúdo, porém, sem os controles necessários de checagem”, clarifica Hamilton.

No entanto, Ana Paula Tavares, CEO e fundadora da Aporama, empresa parceira da RHMED|RHVIDA, focada em marketing digital, as rede sociais também se tornaram agentes importantes no combate e controle de informações falsas. Em março deste 2018, o Facebook lançou vídeo sobre fake news. A campanha lançou um vídeo aconselhando a não acreditar em tudo que leem na internet. Confira:

Rigor na checagem


Para o diretor geral da ABERJE, as empresas estão buscando profissionais de análise que entendam o impacto das notícias falsas. “É preciso aumentar o rigor e criar alternativas de checagem. Campanhas de conscientização também são importantes”.

No futuro, Antonio acredita que os colaboradores terão consciência de que é imprescindível chegar notícias. Já a Ana alerta a necessidade de mais pesquisas para entender os sistemas existentes. “Observamos o crescimento de bots compartilhando conteúdos falsos, influenciando a opinião da sociedade sobre assuntos sensíveis”

Por exemplo, para Hamilton, será preciso lidar com outros problemas, as deepfakes, conteúdos fraudulentos criados por meio de inteligência artificial (IA). “Será, cada vez mais, difícil distinguir a realidade com o mundo virtual”.

 

 

FONTE: MEIO E MENSAGEM

Prevenção assegura saúde no ambiente de trabalho

Prevenir é melhor do que remediar. Se alguém ainda nutria qualquer dúvida sobre a precisão desse ditado popular. Uma pesquisa encomendada pela Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) evidencia. De forma reversa, a importância da prevenção de doenças mesmo antes da revelação de qualquer sintoma.

O estudo reúne dados que ajudam a entender como a mania nacional de postergar a visita ao médico pode ser nociva aos indivíduos e à sociedade. Segundo o levantamento, realizado entre os dias 28 de março e 7 de abril deste ano, 72% dos pacientes com males crônicos só descobriram o problema após o aparecimento de sintomas. Nesse grupo, 48% acreditam que a doença teria sido evitada com os exames prévios e 40% acham que avaliações complementares ajudariam de forma mais efetiva na prevenção.

Ainda de acordo com a pesquisa, 96% dos entrevistados consideram exames laboratoriais necessários e importantes na manutenção da saúde. Somente 17% dos pacientes dizem que os médicos solicitam mais exames do que o necessário. Metade dos doentes admite que buscar ajuda médica com antecedência poderia evitar a doença ou retardá-la. Pensam que os exames laboratoriais são úteis ou muito úteis para o tratamento 95%. Já 64% dos pacientes crônicos afirmam fazer controle da doença por meio de exames laboratoriais.

 Prevenção é investimento para empresas

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estima que pacientes doentes custam sete vezes mais do que um paciente saudável na mesma faixa etária. Outro estudo, da Universidade Federal de São Carlos, indica que doenças que só possuem alterações laboratoriais, sem manifestar sintomas, têm alta chance de cura se detectadas com antecedência: 90%.

Já que está tão claro que a prevenção só traz benefícios a indivíduos e empregadores, por que, então, a resistência em tornar a prevenção uma rotina?

O aspecto cultural é muito forte. Boa parte das empresas ainda encara os investimentos em programas eficazes de saúde como gastos supérfluos. Na crise, são os primeiros a entrarem na lista de cortes orçamentários. Ainda não há a percepção de que o absenteísmo é muito mais danoso financeiramente à organização do que a prevenção.

Também falta a visão mais ampla de que uma equipe saudável – física e mentalmente – se torna ainda mais produtiva.

No caso dos colaboradores, há, como já citamos anteriormente, o velho hábito de adiar exames. “Não é urgente”, “semana que vem vejo isso”, “estou me sentindo bem” etc.

 RHMED|RHVIDA ajuda a disseminar cultura da prevenção

Por meio de seu Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), a RHMED|RHVIDA orienta as empresas no desafio de levar a seus colaboradores informações sobre a importância da prevenção na manutenção do bem-estar. O primeiro passo é auditar e digitar 100% dos Atestados de Saúde Ocupacional (Asos) de forma que seja possível fazer gestão a partir dos resultados dos exames admissionais.

A RHMED|RHVIDA ajuda seus clientes a fazer gestão integral da saúde por meio de um corpo técnico com experiência diferenciada em segurança e saúde ocupacional: médicos do trabalho; equipe de enfermagem, especialistas e peritos; engenheiros e técnicos em segurança do trabalho; fonoaudiólogos; psicólogos; fisioterapeutas e assistentes sociais. Todos os serviços são customizados, atendendo às necessidades específicas de cada corporação.

São recomendadas campanhas de esclarecimento sobre saúde, com palestras e ações que favoreçam a circulação de informação segura e relevante. É importante que o colaborador chega engajado, se sinta parte do planejamento.

Saúde é fundamental para todos. Todos precisam fazer a sua parte, individualmente e no nosso ambiente de trabalho.

Vamos falar de imunização?

Os meses de abril e maio foram especialmente importantes para o calendário de vacinação no país, com campanhas contra sarampo e gripe. Referência mundial em imunização, o Brasil desceu alguns degraus em seu patamar de excelência. Pondo em risco não só a população infantil – principal público-alvo da maior parte das campanhas – como adultos e idosos. Segundo dados do Ministério da Saúde de 2018, houve uma queda média de 20% nos índices de vacinação.

Mas, afinal, o que está provocando esse retrocesso nos dados da saúde pública?

A resposta é simples: desinformação. Vivemos tempos de fake news, sem controle, levando medo à parte da população. Campanhas oficiais não conseguem contra-atacar com a mesma velocidade e eficácia, criando hiatos nos quais crescem teorias alarmantes e infundadas. Efeitos colaterais desastrosos e uma série de outras teses sem qualquer fundamento ganham peso nas redes sociais. Como efeito enfraque as campanhas institucionais de imunização pelo Brasil afora.

Empresas têm responsabilidade social

A RHMED|RHVIDA tem mostrado a seus clientes a importância de falar e promover a saúde no ambiente de trabalho. Defendemos que as organizações, independentemente do porte e do número de funcionários, discutam assuntos ligados ao tema com informação objetiva e transparente. É importante observar a área de atuação e priorizar quais vacinas são mais importantes para o corpo de funcionários.

Para as empresas, é imprescindível manter colaboradores bem informados sobre prevenção e formas de contágio de diferentes doenças. E a adesão às campanhas de vacinação é parte fundamental desse compromisso. Os benefícios são inestimáveis. No ambiente de trabalho, por exemplo, evita-se a gripe, uma das principais causas de afastamento do trabalho. Evita-se também que o vírus circule, contaminando outros funcionários e reduzindo a produtividade. No campo macro, presta-se um grande serviço à sociedade. Reduzindo contágio e proliferação do número de casos e, até mesmo, óbitos no Brasil. A gripe é de fácil disseminação em ambientes fechados e capaz de causar quadros extremamente graves. Sobretudo em pessoas de risco como gestantes, idosos e adultos portadores de doenças crônicas.

RHMED|RHVIDA defende esclarecimento permanente

Quando levamos informação correta e segura aos colaboradores estamos contribuindo para que, automaticamente, eles se transformem em multiplicadores dessas informações. Tanto no ambiente de trabalho quanto no seu círculo familiar e de amigos. É a melhor forma de combater fake news e colaborar para o crescimento dos índices de imunização. É uma forma também da empresa evidenciar que a saúde de seus funcionários é importante. Assim como ratificar seu compromisso com a responsabilidade social.

Além da informação, é importante que as organizações facilitem ao máximo o acesso de seus colaboradores à vacinação. Promovendo campanhas de imunização na própria corporação ou liberando horas da jornada de trabalho para possa comparecer a postos de vacinação. É importante também estar atento às necessidades de cada empresa, para priorizar a carteira de vacinação. Prevenindo assim doenças relacionadas diretamente às condições e ao ambiente de trabalho.

Imunização: Importante ficar atento à carteira de vacinação

O que é vacina?

A vacina desperta a chamada memória imunológica, que é a produção antecipada de anticorpos que reconhecerão o invasor e partirão para a defesa do organismo. A resposta rápida e eficaz à infecção previne diversas doenças, como gripe, sarampo, tuberculose, hepatite e rubéola. As vacinas são necessárias em diferentes fases da vida e é importante estar sempre atento às campanhas de imunização. Cuidar bem da carteira de vacinação também é importante.

Com a carteira de vacinação em dia

Para adultos com esquema completo de SCR, não há evidências que justifiquem uma terceira dose como rotina. Podendo ser considerada em situações de surto de caxumba e risco para a doença. Quem perdeu a caderneta e não lembra se já está imunizado pode, quase sempre, repetir a dose, sem riscos à saúde. De qualquer forma, o ideal é consultar previamente um médico ou fazer um exame de sangue para confirmar se há necessidade ou não de se vacinar.

Em relação à vacinação de profissionais lotados em serviços de saúde, deve-se considerar a vacina da coqueluche, especialmente indicada para profissionais da neonatologia, pediatria e os que lidam com pacientes pneumopatas; a vacina hepatite A está especialmente indicada para profissionais da lavanderia, da cozinha e manipuladores de alimentos; as vacinas meningocócicas ACWY e B estão indicadas para profissionais da saúde da bacteriologia e que trabalham em serviços de emergência, que viajam muito e exercem ajuda humanitária/situações de catástrofes; a vacina varicela está indicada para todos os suscetíveis.

Como funcionam as vacinas?

Hepatite B: São três doses. A segunda dose deve ser tomada um mês após a primeira e a terceira, seis meses após a segunda. É contraindicada para pessoas com baixa imunidade.

Tríplice viral (SRC): Protege contra sarampo, caxumba e rubéola. São duas doses na infância, em crianças acima de 1 ano de idade. Recomendável a vacinação de rotina contra o sarampo para todas as crianças a partir dos 12 meses. Na rede pública, a aplicação é dividida em duas doses: a primeira aos 12 meses, com a vacina tríplice viral (sarampo-caxumba-rubéola), e a segunda aos 15 meses, com a tetraviral (sarampo-caxumba-rubéola-varicela). Dos 5 até os 29 anos, são indicadas duas doses, com intervalo de 30 dias. Já dos 30 até os 49 anos, uma dose é suficiente.

Dupla adulto (dt): Protege contra difteria e tétano. Recomenda-se a imunização a cada dez anos, por toda a vida. Pacientes que apresentam febre ou infecção tetânica não podem tomar a vacina.

Febre amarela: Em casos de dose completa, a recomendação da Anvisa foi alterada em 2017, em que a proteção passa a ser permanente, com instrução da troca do certificado de vacinação internacional, com o novo critério. É indicada, prioritariamente, para quem reside ou vai viajar a lugares onde o risco da doença é alto. É contraindicada para as gestantes ou mulheres em fase de amamentação, pessoas com baixa imunidade ou que apresentem quadro infeccioso.

Gripe: As cepas de vírus são atualizadas anualmente e, para a perfeita e correta imunização, recomenda-se nova dose todos os anos, preferencialmente nos meses de abril a maio, para garantia de tempo mínimo de resposta imunológica antes do período de maior incidência da doença, inverno.

Gestão de riscos no combate às incertezas

A imprevisibilidade não combina com o mundo dos negócios. Ciente de que há sempre a chance de algo dar errado. É obrigação das empresas tomar todas as providências imagináveis para evitar acidentes e doenças no ambiente de trabalho. O gerenciamento de riscos corporativos (enterprise risk management, em inglês) é um escudo imperioso, capaz de assegurar tranquilidade aos colaboradores, preservar a reputação da empresa, sustentar a produtividade e, o mais importante, salvar vidas.

Investir em gestão de risco vai, portanto, muito além de única e simplesmente obedecer às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho. É um compromisso com a ética e a transparência. Compromisso que começa dentro das organizações e se estende de forma emblemática a toda sociedade. E não são somente temas ligados a acidentes de trabalho e doenças laborais. Há também questões como danos morais, riscos financeiros e de ajuste de conduta.

O gerenciamento de risco lida basicamente com situações que podem trazer qualquer ameaça à integridade dos funcionários. À imagem da empresa e à sua própria estrutura física. Além de serem conduzidos por lideranças (diretoria, conselho de administração e chefes de equipes). Os problemas e as estratégias precisam ser identificados, entendidos, analisados, discutidos e adotados por todos os colaboradores.

Por meio de cuidadoso planejamento, que pode incluir palestras, workshops e simulações, entre outras ações. A gestão de risco deve se integrar naturalmente à cultura da empresa, de forma descomplicada e orgânica.

RHMED|RHVIDA orienta na gestão de riscos

A RHMED|RHVIDA tem mais de 1,1 milhão de vidas sob gestão, com expertise comprovada no atendimento de diversos graus de risco e capacidade de atender às operações mais complexas. Sabemos que o gerenciamento de riscos deve adotar medidas capazes de equilibrar a necessidade da prevenção e os custos para evitá-los. É um investimento estratégico, capaz de manter a saúde da empresa e assegurar que, mesmo diante de uma situação indesejável, os impactos negativos – internos e externos – sejam minimizados ou até mesmo anulados.

Sabemos ainda que riscos são condições ou circunstâncias futuras negativas que podem – e devem – ser evitadas. E ajudamos nossos clientes a diagnosticar. Primeiramente quais os pontos vulneráveis da empresa, qual a probabilidade e a frequência com que os problemas identificados acontecem e a melhor forma de solucioná-los com o menor peso no orçamento da organização. Tudo deve ser observado e qualquer falha na segurança, combatido.

Claro que há corporações com atividades de menor ou maior risco, que demandam investimentos de diferentes calibres. Mas é importante frisar que não existe uma empresa imune a situações inesperadas. Portanto, mapear a corporação auxilia a responder pronta e cirurgicamente a acidentes ou outros acontecimentos negativos. Não podemos trabalhar com qualquer margem para erros.

Como sempre, o engajamento dos funcionários é mais do que necessário. São eles, afinal, que estão diretamente nas linhas de produção, nos canteiros de obra, nas plataformas de óleo e gás, escritórios, nos shoppings, hospitais, escolas etc. Devem ser ouvidos em todo processo de planejamento. Mesmo depois, para atualização das estratégicas, à medida que novas necessidades e problemas forem surgindo. Trata-se de um trabalho contínuo, que exige observação permanente e atualização constante.

O compartilhamento de informações seguras é sempre bem-vindo e ajuda bastante em todo o esquema, inclusive na transmissão de fatos novos ou situações emergenciais.

Em resumo, como, em linhas gerais, evitar riscos?

Planejar: Traçar normas e estratégias que vão determinar o passo a passo da construção de um projeto de gestão de risco para a empresa.

Identificar e localizar o risco: Observar os pontos frágeis na estrutura da corporação e, setor a setor, verificar a probabilidade de que ocorreram problemas ou ainda verificar a frequência com que eles ocorrem. Conhecer as áreas vulneráveis ajuda a montar o planejamento.

Análise qualitativa: Enumerar e priorizar por grau de risco e intensidade do impacto.

Análise quantitativa: Criar gráficos com dados sobre os acontecimentos já registrados e os setores vulneráveis. É bom ter em mente o perfil de cada empresa e seu setor de atuação.

Respostas a incidentes: Dentro do planejamento, criar métodos, técnicas e estratégicas que permitam rápida reposta a qualquer incidente, sempre buscando mitigar qualquer impacto à empresa ou à comunidade.

Monitorar: Além do planejamento de respostas aos riscos, deve haver monitoramento dos residuais, identificação de novos e avaliação da eficácia dos processos.

Controlar: A tecnologia é aliada preciosa. Permite agilidade na percepção e na solução de problemas.

Transparência: Riscos nunca devem ser ignorados ou camuflados. Todos devem se engajar no processo. Precisam se sentir responsáveis pelo bem-estar geral e pela saúde da empresa. Cada colaborador deve se enxergar como um aliado e ter liberdade para questionar métodos e dar sugestões. Simulações e treinamentos periódicos das equipes muitas vezes são essenciais.

Comunicar e compartilhar: Informação útil e segura deve circular. Não apenas na empresa em questão, mas entre fornecedores, parceiros, familiares de colabores etc. Informação é aliada bem-vinda e pode ajudar a salvar vidas.